Vaza Jato
Após perseguir a esquerda, entregar a Petrobras e o pré-sal e destruir as famílias de milhões de brasileiros que perderam seus empregos, Dallagnol sai para “cuidar da família”
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
moro-deltan-lava-jato-estados-unidos
Sérgio Moro e Deltan Dallagnol | Reprodução: blog do Esmael

Após 6 anos a frente da Operação Lava Jato, o procurador Deltan Dallagnol deixa a força tarefa num momento em que a conta – como os dois processos disciplinares contra seus abusos, arbítrios e mesmo crimes – começam a chegar.

A saída de Dallagnol ocorre após o desgaste gigantesco da Lava Jato, que após anos de propaganda da imprensa burguesa como sendo a grande arma do combate à corrupção no país, viu sua popularidade artificial e de seus principais integantes (Moro e Dallagnol) ser varrida do mapa.

Esta crise se deve, em grande medida, a campanha que o movimento da luta contra o golpe de Estado – da qual o PCO e este Diário foram expoentes – fez em torno da perseguição à presidenta Dilma, ao ex-presidente Lula, à esquerda em geral, sobretudo o Partido dos Trabalhadores, principal alvo da operação. A denúncia do caráter totalmente entreguista da Lava Jato, que destruiu a economia nacional em detrimento do capital estrangeiro, bem como de ser uma operação de perseguição política, criou marcas na operação que a imprensa burguesa, mesmo com todo o seu aparato, teve muita dificuldade em esconder.

Essa desmoralização se ampliou para um público cada vez maior com as revelações do Intercept Brasil. Ao trazer vazamentos das conversas entre Dallagnol e Moro combinando sentenças, articulando de forma ilegal a perseguição contra Lula e o PT, a campanha contra o golpe de Estado, pela liberdade de Lula e pela extinção da Lava Jato e de seus processos viu um cenário ainda mais favorável para se desenvolver, o que finalmente resultou num recuo do regime e na soltura do ex-presidente Lula.

A ferida aberta da perseguição política dentro do regime golpista, que também desagradara setores da direita que poderiam ser alvos e que tem representação no STF, no Congresso e obviamente, no governo Bolsonaro – como o caso dos recentes atritos da Lava Jato com o PGR (Procurador Geral da República), Augusto Aras – fez com que aumentasse a pressão para um controle cada vez maior da Lava Jato e de seus integrantes, que passaram de ter as “costas quentes” para cometer crimes contra ex-presidentes para alvos de processos internos, como o caso de Dallagnol no CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público).

É nesta crise, que expressa a retirada do imenso apoio da burguesia à operação, que o procurador Dallagnol tem seus processos arquivados e se retira de cena. É a evidência de que houve um acordo no bloco golpista e que após cumpriu seu papel de perseguir a esquerda, entregar o patrimônio nacional aos estrangeiros – como no caso da Petrobras e do pré-sal – e destruir as famílias de milhões de brasileiros, o procurador do “power point” e do “não temos provas, mas temos convicção” se retira para “cuidar da família”.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas