Eleições 2020
O objetivo da burguesia é claro, colocar o maior partido de esquerda do País, o único que tem chances numa disputa eleitoral com a direita em 2022, a reboque da direita golpista
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Lula e Gleisi em São Bernardo
Lula e Gleisi em São Bernardo do Campo | Ricardo Stuckert

Nesta semana, logo após o encerramento da apuração do 2º turno das eleições municipais, a imprensa burguesa lançou uma série de matérias fazendo um balanço de que o PT teria sido o maior derrotado destas eleições e atribuindo ao ex-presidente Lula e à presidenta do PT, deputada Gleisi Hoffmann, a responsabilidade pelo que considerou o pior desastre eleitoral do Partido nas eleições. Vários elementos da direita e da esquerda – do golpista vice-presidente, general Mourão, ao senador da Bahia, Jaques Wagner – declararam que é necessário “renovar” o PT afastando-o da influência de Lula. A manobra é clara, culpar Lula e garantir que ele não seja candidato, para que o PT chegue desarmado nas eleições de 2022.

O secretário de comunicação do PT, Alberto Cantalice, por exemplo, propôs uma espécie de aposentadoria compulsória do ex-presidente. Uma desrespeito asqueroso ao ex-presidente:

“O PT tem várias lideranças: [Fernando] Haddad, Camilo [Santanta] (homem de Ciro Gomes no Ceará), [Jaques] Wagner, [os governadores] Rui Costa, Wellington Dias e Fátima Bezerra

. Vários senadores. O Lula já deu muito para o partido. É hora de abrir espaço”, afirmou Cantalice.

Alberto Cantalice é vice-presidente e Adjunto da Secretaria Nacional de Comunicação do PT.

Já o senador da Bahia, Jaques Wagner, foi tão ou mais agressivo:

“A gente não pode ficar refém. Eu sou amigo irmão do Lula, mas vou ficar refém dele a vida inteira? Não faz sentido.”

Jaques Wagner é ex-governador da Bahia e atual senador pelo estado. Foi um dos defensores de que em 2018 o PT apoiasse a candidatura do abutre Ciro Gomes (PDT).

O grau alto do tom reacionário permitiu que o petista se alinhasse com ninguém mais, ninguém menos do que o vice-presidente golpista, general Hamilton Mourão, que disse:

“O PT tem que se reinventar. Tem que se libertar de acreditar que o Lula resolve tudo. O Lula é passado, eles tem que buscar novas lideranças.”

Esse foi o tom que permeou a imprensa capitalista durante a semana. Colunistas despejaram uma enorme virulência contra Lula e Gleisi (a ala lulista do PT), muito semelhantes ao tom utilizado em 2016 para derrubar a presidenta Dilma Rousseff (PT). Um exemplo disto foi um artigo publicado na Folha de São Paulo, na coluna de Thaís Oyama.

“Entre abrir espaço para o crescimento de novos nomes, e fortalecer o partido e a esquerda, e manter o seu como única opção, mesmo com prejuízo do partido e da esquerda, Lula sempre escolheu ficar ao lado dele mesmo.”

Além de responsabilizar Gleisi e Lula pela que considera a pior derrota que o PT sofreu, a jornalista venal da imprensa burguesa exibe de onde vem a fala de Jaques Wagner:

“A cabeça de Gleisi não vale uma missa. Mas talvez seja tarde demais para cortar a de Lula. Há 40 anos, o PT é refém do ex-presidente. Agora, como disse Wagner, quer se libertar dessa prisão. A questão é o que sobrará do partido se conseguir.”

Uma mais reacionária que a outra, é até difícil distinguir por quem foi proferida cada declaração. O que mostra que se trata de uma campanha reacionária, que tem a mesma origem, independente do interlocutor. Aqui, Alberto Cantalice, Jaques Wagner e outros esquerdistas que entraram na onda, somam-se ao general de extrema direita, Hamilton Mourão, à Folha de SP. Paulo, O Globo, Estadão, Sérgio Moro e a tantos outros que apoiaram o golpe de Estado de 2016, a prisão e cassação de Lula e a fraude eleitoral de 2018.

Isto deixa claro que não se trata de uma coincidência. Jaques Wagner, o grande “amigo e irmão” de Lula, segundo ele mesmo, não está dando um tiro no escuro, está declarando guerra dentro do PT contra Lula, ou seja, contra a ala lulista, o setor mais proletário e popular do Partido.

A fonte da campanha contra Lula e Gleisi é a burguesia e sua imprensa. Estadão, O Globo, Folha de S. Paulo foram os principais artífices da empreitada, Cantalice e Wagner cumprem neste sentido o papel de chamar os demais setores da direita dentro do partido a se agruparem contra Lula e Gleisi. É daí também que vem a proposta de setores autointitulados da esquerda do PT, como Breno Altman, de pedirem a antecipação do Congresso do PT para “renovar” sua direção, leia-se derrubar a presidenta Gleisi, que representa uma direção lulista, indicada pelo próprio Lula.

A participação de integrantes do PT na crítica a Lula, neste caso, só mostra que a burguesia está jogando duro dentro do PT para colocar a ala lulista sob o controle da ala direita, representada por elementos que defendem a aliança com a direita golpista, como é o caso do PT da Bahia, de Wagner e do governador Rui Costa, que se aliou com o DEM.

Essa ofensiva pós eleições dá uma noção do que foi a fraude eleitoral, que levou o PT a pela primeira vez desde 1985 não eleger nenhum prefeito de capital! Além disso, nas cidades em que o Partido foi para o 2º turno, houve uma verdadeira guerra contra seus candidatos.

Marília Arraes, no Recife, enfrentou uma campanha de características genuinamente bolsonaristas, como a demagogia com os evangélicos e a ideia de que era preciso “impedir a volta do PT”, vindas da “frente ampla democrática”, da coligação que ia do MDB ao PCdoB, liderada pelo PSB.

No Rio de Janeiro foi ainda pior. Com a candidatura de Benedita da Silva boicotada pelo PSOL, pelo PCdoB e pelo PDT (que lançaram candidaturas próprias) as chances do Partido ir ao 2º turno não se concretizaram e a frente ampla conseguiu fazer com que o PT apoiasse a candidatura de Eduardo Paes, do DEM, partido da ditadura militar, e um dos principais responsáveis pelo golpe de Estado de 2016, que derrubou Dilma Roussef (PT).

Se foi assim nas eleições municipais, é possível entender o que estará em disputa até 2022. Essas declarações encomendadas pela direita golpista, mostram que para fechar o golpe de Estado é preciso colocar o Lula sob um ostracismo político, como ocorreu nos outros países latino-americanos, Cristina Kirchner, Evo Morales, Rafael Correa, Manuel Zelaya, etc.

Diferente do que Jaques Wagner disse, a burguesia e a ala direita da qual o senador faz parte, querem colocar o maior candidato de esquerda do País, o único que tem chances numa disputa eleitoral com a direita em 2022, a reboque da direita golpista. Isto para que o PT seja derrotado e num 2º turno entre a direita e Bolsonaro, seja levado a apoiar um candidato como João BolsoDoria (PSDB), fechando o golpe de Estado através das institituições.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas