Congresso em Chamas
A população da Guatemala ocupou as ruas no último dia 21 e chegou a atear fogo no prédio do Congresso do país. A mobilização exige a derrubada do governo do direitista Giammattei.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Captura de Tela 2020-11-25 às 16.20.16
A polícia mobilizada para reprimir os protestos, que atearam fogo no Congresso da Guatemala. | Oliver De Ros, AP

A temperatura política no continente segue subindo. Após os protestos na Bolívia, Chile e Peru, uma onda de protestos chega também a Guatemala. Trata-se de mais um fenômeno provocado pela profunda crise econômica, que junto à repressão política generalizada em toda a América Latina tem feito entrar em erupção todo o descontentamento popular.

No caso da Guatemala, uma ampla mobilização foi realizada no último sábado, dia 21 de novembro. Ela ocorreu em meio à profunda crise que atravessa o país. Em meio a devastação provocada por dois ciclones, Eta e Iota, a situação de pobreza, que atinge de acordo com números oficiais 59,3 % dos 17 milhões de guatemaltecos e o desastre provocado pela pandemia do Covid-19, a população saiu às ruas quando o governo do direitista Alejandro Giammattei tentou aprovar no congresso um novo orçamento para 2021, com um valor recorde de quase 12 bilhões de dólares.

O governo Giammattei procurou justificar o aumento no orçamento de 2021 afirmando que os recursos seriam destinados prioritariamente para a crise sanitária e econômica. Entretanto, a população da Guatemala não parece ter levado minimamente a serio as promessas do governo. Afinal, em meio a esta crise o orçamento proposto prevê cortes nas áreas de saúde, educação e direitos humanos. Além disso, Giammattei precisaria recorrer a empréstimos ao FMI, aumentando ainda mais a dívida externa da Guatemala.

As mobilizações do dia 21 ocorreram na capital do país, a Cidade da Guatemala e também em outras cidades, e exigiam a derrubada do governo direitista. A radicalização do movimento foi tão grande que alguns manifestantes atearam fogo no Parlamento do país. O governo reagiu utilizando a polícia, que reprimiu duramente os protestos. No entanto, não há indícios de que a crise tenha se fechado, há novas manifestações sendo convocadas, e apesar do apelo do vice de Giammattei, que sugeriu que ambos renunciassem, o titular não parece disposto a abdicar do poder.

É preciso analisar o levante da população da Guatemala em perspectiva. Trata-se de mais um país da América Latina onde o povo se levanta contra a política de golpe continental, que tem imposto goela abaixo da população de todo o continente a derrubada de governos nacionalistas e a implementação de uma duríssima política neoliberal. É a mesma crise que se desenvolve de forma desigual em praticamente todos os países, incluindo aí até mesmo os Estados Unidos.

Engana-se quem pensa que o Brasil estaria de fora deste quadro geral. As dimensões continentais do país e as profundas desigualdades regionais em geral dificultam que ocorra um movimento como o que vimos no caso George Floyd nos Estados Unidos em escala nacional. No entanto, um acontecimento como o assassinato do negro João Alberto por seguranças do supermercado Carrefour pode se tornar o rompimento da represa da insatisfação popular.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas