A violência continua
Além da dor do luto e o sofrimento deixado pela morte cruel, familiares de Guilherme agora estão tendo que lidar com frequentes intimidações feitas pela PM.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
guilherme-silva-guedes-morto-na-vila-clara-1592354167592_v2_450x600 (1)
Guilherme Silva Guedes, morto no último domingo (14). | Foto: Reprodução

O adolescente Guilherme Silva Guedes, de 15 anos, foi sequestrado, torturado e assassinado na madrugada do último domingo (14) na Vila Clara, zona sul de São Paulo, e até o momento, somente um Policial Militar foi preso suspeito de envolvimento na ação. Além da dor do luto e da revolta pelo acontecimento, os familiares de Guilherme agora estão enfrentando intimidações e rondas ostensivas feitas pela Polícia Militar e também pela Guarda Civil Metropolitana de São Bernardo do Campo. É o que confirmou a Comissão de Direitos Humanos da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) em visita a casa que Guilherme morava com a avó.

“A PM, que nunca foi muito assídua na região, agora ronda direto a casa deles. A Guarda Civil Metropolitana também. São motos da Rocam passando durante toda a madrugada, viaturas do BAEP (Adriano é integrante desse batalhão em São Bernardo do Campo), que de repente param em frente à casa”, declarou Arnóbio Rocha, advogado integrante da comissão.

O caso é um claro exemplo de como o aparato repressivo da burguesia age nas periferias do Brasil, matando pessoas e intimidando aqueles que conseguem sobreviver.

 

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas