Maranhão
Latifundiários da região colocam fogo em Terra Indígena no Maranhão para expulsar a população e expandir suas monoculturas
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
incêndio na Terra Indígena Arariboia em 2019
Incêndio na Terra Indígena Arariboia. |

Na semana após o assassinato da liderança indígena Paulo Paulinho Guajajara um incêndio de grandes proporções assola a terra indígena de Arariboia. Localizada no Maranhão, a TI já sofre o segundo registro queimada no ano. Além da luta contra o incêndio, na última sexta, dia 1 de novembro aconteceu a emboscada à liderança indígena e seu Laércio Guajajara que sobreviveu.

Os indígenas, sem equipamentos adequados, lutam contra uma barreira de fogo com 50 Km de extensão. Ainda que outras pessoas especializadas e treinadas pelo IBAMA participem do combate à queimada, o efetivo não tem dado conta. Isso porque são apenas 60 pessoas entre índios e não índios que lutam para combater uma grande região de floresta onde várias aldeias estão sob risco.

Nos últimos quatro anos a reserva tem sofrido constantemente com queimadas, sendo que até uma delas já foi declarada oficialmente criminosa pelo IBAMA. Se, inclusive, os organismos governamentais que referendam as opiniões golpistas e burguesas afirmam que um incêndio é criminoso é porque a maioria deles o são. Não afirmam que todos são pois não há provas inegáveis de que são de fato criminosos, nesses casos, colocam a culpa e uma possível bituca de cigarro.

O que não explica, por acaso, quem jogou a bituca em determinado lugar rodeado por floresta por todos os lados. Não que os índios não possam fumar, mas não faz sentido para estes jogar uma bituca acesa e suas próprias fontes de sobrevivência. Aqui é preciso que fique claro: O incêndio é mais um ataque dos latifundiários que assassinaram Guajajara e tem interesses em esvaziar aquela terras para expandir seus currais.

Estes burgueses da terra são, ainda, o tipo mais atrasado de burguês, o mais arcaico e conservador. São representados pela bancada do boi, da bíblia e da bala no congresso federal. Não se importam nem um pouco com uma população explorada há mais de 500 anos como todos os povos indígenas.

O fogo está a 20 km da aldeia Zutiwa, segundo Zezico Guajajara, entretanto, “são várias aldeias. O fogo está mais perto da aldeia Buritiana, bem próximo. Agora lá nós podemos controlar, então preocupa, mas não tanto. Awá é caso mais sério. Outra coisa que a gente tá pensando é na linha dos 50 km, que nos preocupa mais.”

São muitas as aldeias que sofrem o risco de serem queimadas. E, mesmo que o fogo seja controlado, o meio ambiente ao redor – forma de subsistência dos povos locais – estará completamente destruído. Assim, os indígenas são obrigados a se tornarem operários e inchar ainda mais os centros urbanos (não estando adaptados às lógicas do capitalismo) e abrem espaço para a expansão da fronteira agrícola que consolida ainda mais a estrutura fundiária desigual do nosso país, ou seja, a concentração de terras.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas