Menu da Rede

18/08: Unificar a luta Fora Bolsonaro com Servidores Públicos

Mistério ou realidade?

Após as eleições, covid reaparece “misteriosamente”

Para dar sustentação à panaceia propagandeada, invariavelmente, teríamos de recorrer às bruxarias e coisas do tipo. Afinal, como seria possível uma redução nas contaminações?

Hospitais lotados por conta do novo coronavírus – Jonne Roriz

Considerando-se o que diz a direita e seus veículos de comunicação, se tivéssemos o objetivo de narrar a história do novo coronavírus no Brasil, essa história teria um caráter ficcional. Para dar sustentação à panaceia propagandeada, invariavelmente, teríamos de recorrer às bruxarias e coisas do tipo. Afinal, como seria possível uma redução nas contaminações e na taxa de óbitos em meio à abertura da economia?

Estaríamos dispostos a acreditar na mágica da completa falta de interesse político no combate à pandemia? Ao que se sabe, desde o início, o combate ao vírus foi apenas fictício, sem nenhuma ação efetiva. O que, então, fez a pandemia dar uma trégua ao destino insalubre das massas? Obviamente, não se trata de nenhuma magia ou esoterismo; mas de uma completa farsa para encobrir o descaso com a população. Passado o primeiro turno das eleições, os jornais burgueses, cumprida a tarefa de mistificar os casos da doença, saem em busca de um culpado para um aumento vertiginoso dos casos de covid-19. Segundo o Estadão, “as pessoas estão cansadas da epidemia e relaxando nas medidas de prevenção”, o que tem levado ao aumento nos casos de internação.

Para o epidemiologista Paulo Lotufo, da USP, o que há é uma retomada dos casos, o que, segundo ele, não significa uma segunda onda, mas um efeito rebote por conta da falta de cuidados das pessoas. Lotufo ainda critica a suspensão das aulas para as crianças. “Não faz sentido isso. Educação das crianças deveria ser prioridade. Precisamos encontrar um jeito. Mas o que fazemos é manter a escola fechada, o filho tendo aulas pelo Zoom, enquanto o pai sai para a academia, a mãe vai ao cabeleireiro”, – disse o infectologista.

De acordo com a doutora em microbiologia pela USP, Natália Pasternak, “a população está cansada da pandemia, o que leva a um risco maior pela redução dos controles”. Decerto, a população não está apenas cansada com a falta de compromisso dos governos no combate à pandemia, o povo precisa garantir o pão de cada dia. Ainda segundo Pasternak, “(…) temos também outro perfil de afetados neste, digamos, segundo pico da doença. Com menos óbitos, é verdade, mas é porque quem está se contaminando são os mais jovens. São pessoas que resistem mais às medidas de isolamento, gente que está saindo mais de casa e se protegendo menos. E teremos agora ainda um período de festas de fim de ano”.

José Gomes Temporão, médico e ex-ministro da Saúde, por sua vez, afirma que o país não está preparado para uma segunda onda de covid-19. “Definitivamente não! Não temos comando nem coordenação federal, cada estado e município toma decisões por conta própria sem qualquer tipo de apoio técnico-científico do Ministério da Saúde. As cenas de aglomerações vistas recentemente no Rio de Janeiro e outros locais mostram um lado preocupante de total falta de visão solidária e coletiva em defesa da vida”, – disse o médico quando indagado se o país está preparado para uma segunda onda. Ainda segundo Temporão, “continuamos testando pouco e sem um trabalho de fortalecimento do papel da atenção básica em detectar os sintomáticos, rastrear seus contatos e isolá-los”.

Já segundo o fundador e ex-presidente da Anvisa, Gonzalo Vecina Neto, ex-secretário municipal de Saúde de São Paulo, o país estava preparado, “mas desativou 65% do que cresceu e isso poderá, dependendo do calor da próxima onda, ser grave”. Quando indagado sobre o que poderíamos ter feito e não fizemos, Vecina Neto responde: “não ter exagerado na flexibilização como fizemos e inverter a prioridade – primeiro escolas e depois bares e restaurantes”.

Diante do aumento do número de casos de covid-19, fica claro que, além de um novo surto, a completa inépcia dos governos demonstrou uma completa falta de interesse em evitar uma catástrofe social, que, longe de vir de maneira espontânea, é o resultado da falta de política desde o início da pandemia. Bolsonaro, à saber, gastou apenas 30% da verba destinada à saúde. E, não obstante, esses passos foram copiosamente seguidos pelos governadores e prefeitos de norte a sul do Brasil. É preciso que os governos tenham uma política de combate ao novo coronavírus. Demais, é mister garantir que as pessoas possam ficar em casa, garantir leitos para os enfermos e equipamentos de proteção para os profissionais de saúde. É preciso lançar mão de uma verdadeira campanha de guerra contra a pandemia – o que só pode ser arrancado dos governos genocidas por meio de uma ampla mobilização popular.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores
O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.