A quem interessa?
Malabarismo acadêmico para negar a ofensiva da direita serve apenas para defender o regime político
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
bolsonaro
Bolsonaro ameaça metralhar petistas | Foto: Reprodução/YouTube

Durante participação em programa da DCM TV, o psolista Nildo Ouriques declarou:

“O governo de João Goulart, ainda que breve, foi um governo que tocou transformações profundas. Não dá para ignorar isso. E o governo de João Goulart foi derrubado por um golpe cívico-militar que deu em uma ditadura de 21 anos. Então muito cuidado com essa história de golpe contra a Dilma. Eu digo que não teve golpe. Vou ser mais herege aqui ainda: teve a destituição, sem luta. Muito grave isso. Em 64, teve uma intervenção cívico-militar com o apoio dos Estados Unidos direto de um navio aportado ali, uma intervenção dos militares, destituição, exílio, morte, prisão, tortura e tudo mais. Se nós tivéssemos sido vítimas de um golpe nós não estaríamos aqui discutindo. Terceira questão, não temos fascismo no Brasil. Um presidente proto-fascista, está claro. Um governo ultra-liberal, está claro”.

Para tudo na vida, há alguma justificativa. Mesmo que seja a mais escabrosa. No caso de Ouriques, cada barbaridade contida em sua fala — não houve golpe, não existe fascismo, não houve luta etc. — vem acompanhada de um argumento que desafia o bom senso do militante menos experiente. O próprio caráter mirabolante dos argumentos já mostra que, em si, a tese de Nildo Ouriques nada mais é do que uma tentativa forçada de adequar a realidade a seus interesses, e não uma tentativa de formular uma política com base na realidade. Antes de explicar quais são esses interesses, nos lançamos à tarefa de debater seus argumentos.

Comecemos com a questão do golpe. Como fica claro, Ouriques defende que o processo de derrubada da presidenta Dilma Rousseff não poderia ser chamado de “golpe” porque foi um processo diferente do que levou à queda de João Goulart. Trata-se de uma premissa absurda, uma vez que nenhum processo histórico é igual ao outro. As tomadas de poder pelas classes operárias russa e chinesa não são chamadas de revolução porque são idênticas, mas porque ambas conservam as características fundamentais daquilo que é cientificamente entendido como uma revolução.

O primeiro contraste que Ouriques apresenta é o de que, em sua opinião, o governo de João Goulart teria realizado “transformações profundas”. Sem precisar entrar na discussão da profundidade dessas transformações, questionamos: apenas um governo profundamente esquerdista poderia sofrer um golpe? Se assim fosse, teríamos que reduzir consideravelmente a quantidade de golpes registrados na história. Evidentemente, esse não pode ser um critério razoável para definir o que é um golpe de Estado, pois isso significaria dizer que, na esmagadora maioria das vezes, os processos políticos independentemente da luta de classes entre a burguesia e o proletariado. Ora, se não há golpes entre governos de direita e governos moderados, isso quer dizer que os regimes políticos no imperialismo são estáveis. E se são estáveis, é porque não se sentem ameaçados por uma intervenção das massas. E se não se sentem ameaçados, é porque as massas não sentem a necessidade de se revoltar. E se não sentem, é porque, no fim das contas, o próprio capitalismo seria um sistema estável, que não precisaria desferir ataques cada vez mais profundos contra os trabalhadores. Como vemos, é uma hipótese absurda, pois se há uma coisa que define o capitalismo é sua instabilidade.

O segundo contraste apresentado é o de que não teria havido “luta”. Aqui, tanto há uma falsificação em relação ao governo de João Goulart quanto ao governo de Dilma Rousseff. A posição de João Goulart enquanto presidente deposto não merece qualquer grande destaque. Goulart não preparou os trabalhadores para enfrentar os golpistas, nem propriamente os enfrentou quando chegada a hora. No caso do golpe contra Dilma Rousseff, apesar das vacilações das direções da esquerda nacional, houve uma enorme resistência ao golpe, que conseguiu atrasar o processo em pelo menos um ano. A burguesia preparava o fim da era petista para as eleições de 2014, mas apenas criou condições na metade do ano de 2016. Por fim, o fato de haver “luta” ou não também não pode ser condição suficiente para definir um golpe ou não. O golpe consiste justamente em uma tentativa de mudança do regime para remover os obstáculos a uma nova política. E, muitas vezes, a compreensão do que será essa nova política só vem com a experiência do próprio golpe. É inegável que os trabalhadores brasileiros estejam hoje em um grau de consciência muito mais elevado que em 2015. Hoje, pouco se defende a “luta contra a corrupção”, por exemplo.

Ouriques cita vários exemplos daquilo que consideraria a prova de um golpe: apoio dos Estados Unidos, intervenção dos militares, destituição, exílio, morte, prisão e tortura. Nenhum desses elementos é uma prova definitiva de um golpe. Na verdade, seria mais apropriado dizer que são aspectos comuns em ditaduras, que são regimes estabelecidos após golpes, e que muitas vezes demoram anos para serem estabelecidas de maneira aberta. Mesmo assim, todos esses exemplos podem ser vistos no caso brasileiro: o apoio dos Estados Unidos pode ser visto claramente na Lava Jato, a intervenção dos militares pode ser vista no caso do julgamento do habeas corpus de Lula, a destituição, propriamente, já houve. Mortes, aconteceram aos milhares, sobretudo nas mãos da Polícia Militar. Mas também podemos citar vários casos de assassinatos políticos, como o da correligionária de Nildo Ouriques, Marielle Franco. Na conta da prisão de Lula, podemos colocar um imenso pacote de ilegalidades que serviram para encarceram milhares de pessoas. Por fim, a delação premiada se mostrou um instrumento de tortura, como nos casos vergonhosos de Antonio Palocci e de Marcelo Odebrecht.

Não fica claro exatamente porque Nildo Ouriques considera que não há fascismo no Brasil. De um ponto de vista geral, é até aceitável dizer que o governo Bolsonaro não é um – não ainda – governo propriamente fascista, mas sim um governo com características fascistas. Mas o fato é que Bolsonaro, em si, é um fascista e que existe, sim, fascismo no Brasil. Os extermínios no campo, pelas mãos dos latifundiários, e os extermínios nas periferias, pelas mãos da Polícia Militar, é uma característica marcadamente fascista. Que toda essa tendência fascista se acople plenamente a um governo é uma questão, em grande medida, formal, e que está relacionada com o desenvolvimento da luta política. Se não há uma luta contra o fascismo, o fascismo irá crescer. E se a consideração é que o fascismo não existe, é impossível lutar contra o fascismo.

Como vimos, todas as considerações de Nildo Ouriques para não chamar as coisas pelo próprio nome são facilmente refutáveis. A derrubada de Dilma Rousseff foi um golpe e a vitória eleitoral de Bolsonaro é uma continuidade desse golpe. Todas as instituições — polícia, Judiciário, Executivo, Legislativo, Ministério Público etc. — estão completamente tomadas ou sendo tomadas pela direita. Até mesmo as universidades estão passando por esse processo. E isso não é um fenômeno acidental: é o resultado inevitável da crise econômica capitalista. Para que os bancos não entrem em falência, é preciso colocar no poder uma corja que dê conta de arrancar a pele dos trabalhadores.

A última coisa que nos resta discutir é o motivo pelo qual Nildo Ouriques se recusa a enxergar que há golpe e fascismo no Brasil. E isso só pode ser explicado sob o ponto de vista da luta de classes. Apenas não enxerga — ou não sente a necessidade de assim caracterizar — o golpe e a mudança de regime aqueles que estão se beneficiando do processo. Para o Itaú, a Nestlé, a Chevron e a Coca Cola, pouco importa analisar a derrubada do governo do PT como um golpe ou não. Inclusive, a discussão da legitimidade também pouco importa: apenas o que importa é que seus interesses sejam levados adiante sem que haja uma perda de estabilidade sensível. Como alardear mundo afora que a derrubada de Dilma Rousseff é um golpe não contribui para a estabilidade, os capitalistas se esforçam para dar o maior caráter de legitimidade possível às suas aventuras.

Nildo Ouriques não compõe a classe mais beneficiada com o golpe, que é a classe dos capitalistas. Mas para defender a burguesia, não é necessário ser um capitalista. O pequeno burguês, na medida em que se vincula ao mundo de privilégios da burguesia, passa a ser o seu maior defensor. A defesa de que não há golpe é, portanto, uma defesa da burguesia. Isto é, uma defesa do regime político que, ao mesmo tempo em que aprofunda o abismo social entre os trabalhadores e seus inimigos, mantém sob rédeas curtas os elementos mais carreiristas e individualistas que, por não estarem vinculados à classe operária, se deixam vender pelas ilusões mais tolas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas