EUA
Os três homens foram condenados por ação irregular da polícia e da promotoria, afirma procuradora
Prisoners-Exonerated-Baltimore
Andrew Stewart, Alfred Chestnut, Ransom Watkins e seus familiares |

No Leste dos Estados Unidos, em Baltimore, três homens negros que passaram 36 anos na prisão foram inocentados ontem pela morte de um adolescente em 1983.

Alfred Chestnut, Andrew Stewart e Ransom Watkins foram condenados a prisão perpétua pela morte de Dewitt Duckett, estudante de 14 anos, na escola Harlem Park, de Baltimore. À época, o adolescente tomou um tiro no pescoço e teve sua jaqueta da Universidade de Georgetown roubada. Durante a apuração do crime, testemunhas foram coagidas pela polícia a apontar para os três adolescentes negros de, na época, 16 anos.

Ademais, após o crime, Alfred Chestnut foi visto com uma jaqueta de Georgetown; sua mãe apresentou o recibo da compra, anulando as acusações, mas o mesmo foi ignorado pela investigação, que levou Chestnut, Stewart e Watkins para a cadeia.

Este episódio expõe o quão racista é o sistema judicial e carcerário norte-americano, o qual o Brasil se espelha. Este é só mais um dos casos em que negros são presos unicamente pelo fato de serem negros. Não trata-se apenas de um erro da justiça, mas de um modus operandique busca esmagar a população preta e pobre com violência, miséria e encarcerando-a.

Diante dessa situação, apenas a mobilização do povo negro pode derrotar esta política de guerra declarada da burguesia contra o setor.

Relacionadas