Política
Folha pede a derrubada do ministro Ricardo Salles como meio de evitar uma crise ainda maior no governo e, assim, proteger Bolsonaro
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
ricardosallesbolsonaro
Ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e Jair Bolsonaro | Foto: Reprodução

Em editorial do dia 10 de outubro, a Folha de São Paulo pediu a saída do ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles. Segundo o jornal, sua saída serviria como uma forma do governo Bolsonaro de demonstrar que não está alinhado totalmente com a destruição do pantanal que vem ocorrendo nos últimos meses, já que o governo deve enfrentar uma grande pressão nos próximos dias por conta da próxima divulgação dos índices de desmatamento da Amazônia.

Duas lições importantes devem ser tiradas do editorial da Folha. A primeira é que o jornal não é nem de longe o jornal da democracia, como tem tentado se vender nos últimos tempos. Em nenhum momento o jornal se coloca frontalmente contra a política de Bolsonaro, pelo contrário, pede a saída de Ricardo Salles somente como forma de o governo não sofrer pressão nacional e internacional, o que demonstra, na verdade, que o jornal não deseja o fim do governo genocida e destrutivo que vem assolando o país.

Para deixar clara essa posição, demonstrando que Bolsonaro deve fazer isso para não enfrentar uma crise, o editorial chega a dizer logo no olho da matéria: “Bolsonaro deve mostrar que instinto de sobrevivência supera obsessão ideológica”.

A segunda lição que podemos tirar, e que está relacionada com a primeira, é o fato de que pedir a saída de Salles é uma política que não leva a lado nenhum. Do que adianta pedir sua saída, quando o governo responsável pela destruição do meio ambiente continuará no poder?

Uma das bases de apoio do governo Bolsonaro é formada pelos latifundiários,  grileiros e demais setores conservadores ligados à terra. Essa base de apoio exigirá outro ministro do governo que, assim como Salles, leve adiante o projeto de entregar as terras brasileiras a eles. Nesse sentido, Salles não é o responsável pelas queimadas, mas sim, todo o governo golpista de Jair Bolsonaro.

Quem segue essa política de pedir a derrubada de um ou outro ministro do governo, como se tentasse domesticar o bolsonarismo, é a esquerda pequeno burguesa. Esse setor da esquerda não tem uma política própria e se baseia na avaliação e no programa da própria burguesia. É assim que vemos o exemplo da Secretaria da Cultura e do Ministério da Educação, em que a esquerda pedia o fim dos secretários e ministros que mais pareciam se assemelhar ao bolsonarismo.

No entanto, o mesmo empenho não se dá na pedida pela derrubada de Paulo Guedes, já que o ministro da economia ainda é um queridinho da imprensa burguesa.

Não é possível reformar o bolsonarismo. É necessário seu fim como um todo, por meio da mobilização dos trabalhadores brasileiros. Para uma vitória real que pare a destruição do Pantanal, da Amazônia e dos demais biomas e florestas do Brasil, é necessário que todo o governo golpista seja colocado abaixo. Só assim, com um novo governo apoiado nos operários, nos camponeses e os indígenas, é que o Brasil assegurará a manutenção do meio ambiente com sua exploração de forma racional.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas