A força da fraqueza
Capitulação de Bolsonaro é interpretada como sinal de força por colunista ligado ao PCdoB
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Brasília(DF), 06/11/2018 - Sessão do Congresso Nacional em comemoração aos 30 anos da Constituição - Na foto Jair Bolsonaro e  Presidente do STF Dias Toffoli -  Foto: Daniel Ferreira/Metrópoles
Capitulação de Bolsonaro para o Centrão só interessa... Ao Centrão | Foto: Daniel Ferreira/Metrópoles

Em coluna publicada no portal Brasil 247 na edição do último sába o (25), Ricardo Cappelli procura fazer uma análise do desempenho de Bolsonaro em pesquisa de opinião recentemente encomendada e amplamente difundida pela imprensa burguesa, onde o fascista teria melhorado sua avaliação. Claro que a credibilidade destas pesquisas é duvidosa, pra dizer o mínimo, porém chama atenção os argumentos utilizados pelo colunista em seu esforço de tornar crível a propaganda da burguesia. Isto por que, dois fatores fundamentais são elencados por Cappelli para expllicar o crescimento de Bolsonaro: um relacionado aos auxílios emergenciais que muitos não conseguem receber. O outro aparece na afirmação de que “abafou os olavistas e vive uma trégua com os poderes.” E sobre esta parte que precisamos ter um debate mais claro.

Sendo estas pesquisas de opinião produzidas e difundidas pela burguesia, é natural que reflitam o posicionamento que interessa a seus patrocinadores. E o interesse dos grandes capitalistas em colocar Bolsonaro na linha é antigo, podendo ser facilmente medido pelo teor dos editoriais da imprensa capitalista. Isto precisa ser contextualizado para não acabarmos dando crédito a explicações fantasiosas sobre aspectos culturais da população, que busquem explicar o “sucesso” de Bolsonaro entre a classe dominante sob bases subjetivas quando a realidade demonstra que a melhora na avaliação divulgada vem na sequência de manifestações populares expressivas e direcionadas contra o fascista.

Assim, a divulgação de um melhor desempenho em sua avaliação relacionada à trégua com os poderes é verdadeira em certo aspecto mas do ponto de vista da burguesia apenas. No quadro amplo da luta de classes, isto é resultado do enfraquecimento da base bolsonarista, o que obrigou Bolsonaro a buscar apoio crescente do centrão, aceitando também a coleira imposta pelo setor mais poderoso da classe burguesa. Nesse sentido, o que a submissão crescente de Bolsonaro revela é justamente o contrário do que a pesquisa procura propagandear: sua popularidade é cada vez menor.

Este aspecto fundamental acaba sendo lembrado de outra forma mas não é por acaso. A medida que Cappelli se mostra nitidamente focado no processo eleitoral, um aspecto cada vez menos importante para o desenvolvimento da luta política no País, o colunista tende a destacar de maneira positiva o fato da direita centrista ter mais controle sobre Bolsonaro, assim como a defesa de supostas “importantes vitórias pontuais” conquistadas pela oposição, que desde o golpe de 2016 nunca ganhou nada minimamente sério no Congresso.

Porém nem o crescimento da direita que orquestrou mensalão, petrolão, Lava Jato, o golpe contra Dilma e a prisão de Lula representa nada de bom para a esquerda e exceto para os setores em defesa da frente ampla, ninguém ganhou nada com as tais “vitórias pontuais” da oposição. A esquerda continua na defensiva e o que se verificou de vitórias nos últimos anos não tiveram relação alguma com o Congresso mas com a mobilização popular nas ruas. Aqui sim, vimos o oposto do que a propaganda da burguesia se esforça para massifica e a esquerda pequeno-burguesa teima em ajudar a propagar. O, pelo menos desde o Carnaval de 2019, é amplamente favorável ao “Fora Bolsonaro”. Mas precisa ser chamado às ruas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas