“Frente ampla”
Biden é o candidato de preferência do imperialismo para as eleições norte-americanas
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
joe-biden-e-kamala-harris
Joe Biden e Kamala Harris | Foto: Lucas Jackson/Reuters

Em artigo publicado pelo portal Vermelho no dia 18 de agosto, o dirigente Haroldo Lima, do PCdoB, elogiou a política da esquerda pequeno-burguesa norte-americana diante das eleições presidenciais. O texto “Frente Ampla, a lição dos Democratas americanos” saúda a iniciativa de figuras como Bernie Sanders em apoiar Joe Biden e defende que o mesmo seja feito no Brasil em relação ao fascista Jair Bolsonaro.

Logo de cara, Haroldo Lima nos fornece sua tese: “a tática geral traçada pelo Partido Democrata dos Estados Unidos para enfrentar o Trump foi a de uma frente ampla”. De fato, podemos chamar a política de apoio da esquerda a Joe Biden de uma política de “frente ampla”. Isto é, uma aliança entre a direita do regime político, contendo até mesmo ex-membros do governo Bush, com elementos da esquerda norte-americana, incluindo aí figuras como Bernie Sanders, que apresenta uma plataforma política de tipo social-democrata. O que não é correto, contudo, é a sua conclusão: a “frente ampla” é uma política nociva para a esquerda norte-americana e não deve ser exemplo algum para a esquerda brasileira.

Primeiramente, é preciso destacar um erro de análise de Haroldo Lima no que diz respeito às eleições norte-americanas de 2020: “ao se dividir, com a esquerda socialista afastando-se da disputa central, facilitou a vitória do Trump”. Não foi a “divisão” da “esquerda” que pavimentou o caminho para a vitória de Trump. O que aconteceu em 2016 foi que Bernie Sanders e vários outros setores da esquerda norte-americana e da esquerda mundial endossaram a candidatura direitista de Hilary Clinton contra a candidatura de Trump. Com isso, a esquerda entrou em uma profunda desmoralização, uma vez que Clinton é uma figura bastante impopular e uma das responsáveis pelas condições degradantes do operariado norte-americano, e permitiu que a extrema-direita vencesse. A diferença de 2016 para 2020 é que a pressão do imperialismo para que a esquerda apoie a candidatura democrata é maior.

O imperialismo está pressionando a esquerda contra Trump porque, finalmente, Joe Biden é o candidato preferencial do imperialismo. O Partido Democrata — ou, pelo menos, a ala direita, que controla o partido — é uma organização com profundas relações com o imperialismo e que defende a política neoliberal até as últimas consequências. Sua aparência democrática, repleta de demagogia com as mulheres e os negros, é apenas uma forma de encobrir a podridão de seu programa. Trump é um candidato da burguesia, mas menos estável e, portanto, um candidato secundário. A presença de Kamala Harris na chapa, quem Haroldo Lima diz representar “a mulher, a negritude, o antirracismo e o antifascismo americanos” é uma demonstração dessa demagogia.

O caráter reacionário desse tipo de frente fica ainda mais claro quando o artigo coloca a necessidade de se aproximar com elementos do Partido Republicano: “Os Democratas perceberam que, nessa situação, a frente necessária a ser constituída não era apenas a da união das tendências internas do Partido Democrata, aí incluindo a esquerda socialista liderada por Bernie Sanders. Tratava-se de ampliar a frente e nela colocar os próprios membros do Partido Republicano de Trump descontentes com ele”. No fim das contas, a “frente ampla” contra Trump caberia todo mundo que não fosse o próprio Trump, o que mostra o completo abandono de um programa por parte do dirigente do PCdoB. A conclusão de que deveria abandonar o programa, inclusive, aparece no artigo: “A união era contra Trump e a palavra de ordem era ‘basta ser contra Trump’ (…).

Uma frente para eleger um típico representante do imperialismo nos Estados Unidos não é avanço algum para a esquerda norte-americano. Tampouco seria no Brasil. Segundo Haroldo Lima, “Aqui trata-se de formar uma frente anti-Bolsonaro”. Essa frente, com as características da frente americana, seria, por comparação, uma frente com o PSDB. Isto é, uma frente com o partido que se orgulha de ter privatizado o Brasil. Trata-se, na verdade, de uma política inaceitável.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas