Intervenção americana
Sob ordens dos EUA, apoiadores do farsante, Juan Guaidó, planejam emitir documentos oficiais como se fossem uma embaixa da Venezuela.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Presidente do Senado, senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), recebe o presidente encarregado da Venezuela, Juan Guaidó, para tratar da crise venezuelana.  Foto: Jonas Pereira/Agência Senado
O presidente impostor da Venezuela e funcionário dos EUA, Juan Guaidó. | Foto: Jonas Pereira/Agência Senado

A direita venezuela, um circo contratado pelo governo norteamericano para dar um golpe na Venezuela, continua sua jornada golpista. Após o show de vergonha alheia protagonizado por Juan Guaidó, o bufão oficial dos Estados Unidos para a Venezuela, e a não menos vergonhosa tentativa de invasão de mercenários, que foram repelidos por populares com armas de baixo calibre, agora, o foco do golpismo na Venezuela está no Brasil.

Guaidó e sua trupe planejam criar um “consulado itinerante” no estado de Roraima. Já não bastasse a fraude de Guaidó se autoproclamar presidente, sua estratégia é emitir documentos como se o governo fosse. Segundo seus representantes, o intenção é “atender à comunidade venezuelana no Brasil”.

O governo Maduro emitiu nota, através de sua embaixada oficial no Brasil, denunciando a falsificando e tornando claro, como a água, que a situação ocorre com anuência do governo ilegítimo de Jair Bolsonaro.

É impossível não entender que Bolsonaro entrega o Brasil ao imperialismo, por mera subserviência, para servir de base a um ataque contra a Venezuela. Mike Pompeo, Secretário de Estado, visitou Roraima no mês passado, para organizar a campanha de difamação do governo legítimo de Nicolás Maduro. A primeira atividade golpista pós-visita é, até então, este “consulado itinerante”.

Uma atividade continua do imperialismo contra a Venezuela em solo brasileiro é a “Operação Acolhida”. Em teoria, esta “operação” – um nome que já denota uma atividade militar ou de apoio a uma – deveria inserir “refugiados” venezuelanos em comunidades brasileiras. Todavia, é óbvio que trata-se de uma fachada para preparar terreno para uma invasão da Venezuela a partir do solo brasileiro.

A operação golpista fica ainda mais clara quando visto que o principal responsável pelas atividades de “interiorização dos refugiados” é o exército brasileiro.

O custo da “ação humanitária” é 400 milhões de dólares, onde os Estados Unidos entram, formalmente, com apenas 80 milhões de dólares. Trazendo para a cotação atual moeda brasileira, o Real, tem-se mais de 2 bilhões de reais.

A intervenção americana no Brasil está completamente desnudada. Mostra também que Bolsonaro é fruto desta intervenção e que serviu de ponte, no continente, para financiar, com o dinheiro dos brasileiros, golpes e invasões a outros países da América Latina, em especial a Venezuela.

Portanto, fica claro que lutar pelo Fora Bolsonaro é também lutar pela independência política e econômica de todos os povos oprimidos das Américas e Caribe. Povos estes que devem apoiar uns aos outros contra golpes e invasões dos Estados Unidos no continente. Apenas a mobilização popular será capaz de conter a ofensiva imperialista.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas