Farsa Capitalista
Segundo dados levantados pelo Valor Data, 85% de grandes empresas teriam dinheiro suficiente para pagar seus funcionários por até 12 meses, até mesmo com atividades paradas.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
SÃO PAULO 27 11 2014 IBOVESPA  FOTO HUGO ARCE/FP
Grandes empresas da Ibovespa recebem ajuda do governo. E o povo? Foto: HUGO ARCE / Fotos Públicas. |
Enquanto a população trabalhadora está recebendo migalhas do Estado para enfrentar a crise do coronavirus, grandes empresas que alegam não terem condições de suspenderem suas atividades durante a pandemia por medo de falência estão recebendo quantidades altíssimas de dinheiro do governo para se manterem em pé. A situação já é absurda, priorizar a Economia do que a vida de todos os trabalhadores que correm o risco de ficarem sem salários, fora aqueles que já não têm renda fixa como os desempregados e também os trabalhadores informais. Mas a situação fica ainda mais inaceitável se pegarmos os dados da receita das grandes empresas que tem ações vendidas na bolsa.
Segundo dados levantados pelo Valor Data, 85% destas empresas teriam dinheiro suficiente para pagar seus funcionários por até 12 meses, até mesmo com atividades paradas, sem gastos ou lucros. Além disso, metade das 15% restantes teriam condições de arcar com as despesas por até seis meses. A outra metade, as empresas que não teriam tantas condições assim de arcar com os gastos seriam aquelas menos afetadas no momento de crise, como empresas farmacêuticas, serviços públicos e alimentícios. Os dados referem-se a 97 empresas não financeiras que fazem parte da Ibovespa e Small Caps, com base em dados divulgados relacionados ao fechamento do ano de 2019. Empresas financeiras como grandes bancos, com certeza também tem plenas condições de arcar com o salário dos funcionários, se esta fosse a prioridade das grandes empresas capitalistas.
A farsa capitalista fica escancarada se considerarmos ainda que vivemos um momento atípico, onde até mesmo fornecedores de grandes empresas já declararam que abririam mão de receber seus pagamentos durante a crise, sendo que estas são geralmente pequenas empresas, aquelas que realmente precisariam de um apoio do Estado.
Ao contrário do que se divulga, as grandes empresas capitalistas do país não estão a beira do colapso, mas mesmo assim bancos e grandes empresas estão recebendo dinheiro do governo Bolsonaro para aumentarem seus lucros até mesmo diante da crise. Na última terça-feira (24), o governo anunciou a liberação de R$1,2 trilhão aos bancos, enquanto o projeto inicial do governo para os trabalhadores era de uma ajuda de apenas R$200,00 por apenas três meses.
Se considerarmos todos estes dados, a renda básica emergencial aprovada pela câmara ontem (26) de R$600 á R$1,200 vira uma verdadeira esmola aos trabalhadores, pois enquanto os gastos com a renda básica somariam o aproximado de R$14,4 bilhões, os bancos recebem ajuda na casa dos trilhões, proporcionando crédito para endividar ainda mais os trabalhadores num momento de desespero, além de estarem enchendo ainda mais os seus cofres, com a desculpa do governo de “estimular a economia”. Ainda sobre a renda básica, ela não vai abranger todos os trabalhadores, os trabalhadores formais ainda estão contando com a “sorte” e a “bondade” dos seus patroes para decidirem os rumos dos seus salários.
Essa situação só nos mostra o caráter econômico do governo de Bolsonaro, “salvar” grandes empresas, bancos, e as enriquecer até mesmo num momento de crise de saúde e econômica, os trabalhadores precisam contar com a sorte e depender de esmolas do governo para ter o mínimo dentro de casa. Fora as questões econômicas, o trabalhador ainda precisa lidar com a situação de não ter um sistema de saúde eficiente para a crise do coronavírus, não ter testes para todos, não ter leitos de uti suficientes, não ter materiais de higiene básica, e ainda é obrigado a aguentar discursos completamente genocidas de Bolsonaro onde o mesmo defende mais a economia do que a vida de todos os trabalhadores.
O trabalhador mais uma vez está á margem da sociedade capitalista, e vê o governo colocando como prioridade os grandes capitalistas e fazendo com que ele tenha que pagar da forma mais violenta possível uma crise que ele mesmo criou, afinal a crise capitalista está instaurada há tempos. Os trabalhadores precisam se organizar para a derrubada do governo Bolsonaro, não se pode mais viver de migalhas enquanto uma parcela mínima da população enriquece diante do sofrimento do povo.
Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas