Coronavírus no futebol
Como denunciamos há várias semanas neste Diário, o retorno dos campeonatos de futebol ocorreu sem o controle adequado das condições sanitárias e a cada dia aparecem novos casos.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
50206343261_3e553b4e0c_k (1)
Equipe do CSA comemora o único gol da partida contra o Guarani em 08/08/2020. | Foto: Augusto Oliveira/Ascom CSA/Fotos Públicas.

Em mais uma tragédia anunciada, explodem os casos de COVID-19 entre os jogadores profissionais no Brasil. Em nota recente, o tradicional clube do futebol alagoano CSA afirma ter mais 2 casos positivos no seu elenco profissional, totalizando 20, o que representa mais de 80% do total.

O CSA já teve um jogo adiado contra o Chapecoense e a realização de seus próximos jogos na Série B do Brasileirão ainda está em aberto. Além da situação completamente artificial de jogar sem as torcidas, os jogadores estão tendo que lidar com grande insegurança em relação à possibilidade de contágio.

Recentemente, o Brasil superou os 100 mil mortos por COVID-19, e isso apenas em números oficiais. Em contraste com o discurso praticamente uníssono das autoridades, a realidade mostra que a pandemia está completamente fora do controle.

Quando muito ainda se especula sobre essa grave síndrome respiratória, a CBF faz as vezes de agência sanitária e analisa pedidos para liberar a escalação de jogadores testados positivos. Sim, isso está acontecendo e mostra o nível de absurdo que o retorno precoce das competições esportivas é capaz de produzir.

Na mesma semana que o CSA confirmou a altíssima porcentagem de contaminados no seu elenco, a CBF liberou quatro jogadores do Atlético Goianiense que testaram positivo para o jogo contra o Flamengo pela Campeonato Brasileiro. O argumento apresentado foi de que os jogadores estariam em fase final de contaminação, estando “imunizados”.

Num momento em que muitas universidades investigam os casos de reinfecção por COVID-19, a CBF demonstra uma imensa irresponsabilidade e deixa claro que o que manda é dinheiro. A pressão internacional pela retomada econômica irrestrita não tem nada a ver com uma superação da pandemia, mas com a preocupação dos grandes capitalistas com a possibilidade de quebra generalizada da economia.

Um outro exemplo de avaliação “científica” e “imparcial” é o caso do zagueiro Gil, do Corinthians, que já testou positivo duas vezes. Com essa segunda infecção, o departamento médico do clube “entende” que ele não corre mais risco de infectar outras pessoas.

Com qual rigor os clubes vão testar e cortar seus craques nos jogos decisivos dos campeonatos? Um time que disputa o título ou luta para escapar do rebaixamento vai privilegiar o controle sanitário ou suas necessidades materiais?

Enquanto o Brasil segue sem testagem massiva da população, o retorno dos campeonatos de futebol e a reabertura total da economia deixam cada vez mais clara a farsa encenada pelos governadores “científicos” no começo da pandemia. Onde foram parar os direitistas “defensores da vida”?

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas