Antifascistas norte-americanos estão se armando contra extrema-direita

White Nationalists Hold "White Lives Matter" Rallies In Tennessee, Counter Protests Ensue

Nos Estados Unidos, grupos armados antifascistas estão sendo convocados para defender eventos de LGBTS de ataques da extrema-direita.

A ascensão da violência da supremacia branca desde 2016 serviu como um ponto de partida para as decisões de muitos se armarem. Fozz, que é judeu, contou que se sentou ao lado de sua esposa após a eleição de Trump para  decidir qual deles iria aprender a usar uma arma, “porque vamos precisar dela”.

A lembrança da filmagem da boate Pulse em 2016, quando 49 pessoas morreram em um tiroteio em massa em uma boate gay na Flórida, ainda está viva para os homossexuais.

Para outros, foi o choque da violência na fatal manifestação Unite the Right (união da direita) em Charlottesville, em 2017, que despertou seu interesse em autodefesa armada.

“Depois de Charlottesville, entendemos que tem de haver alguém que esteja disposto a estar em lugares e fazer coisas que a lei não esteja disposta a fazer, onde a polícia esteja apoiando fascistas”, explica Shannon. “Quando você vê as forças policiais escoltando grupos nazistas para desfiles [em lugares como DC ou Detroit], você percebe que há um espaço a ser preenchido por pessoas que confiam em suas habilidades como armadores, mas cuja missão maior é a defesa e proteção da comunidade.”

Fozz e Shannon são dois codinomes dos intregrantes de uma van em Seattle, no estado norte-americano de Washington, onde fica a fábrica da Boeing. O veículo está lotado com uma meia dúzia de pessoas que, apesar do calor, a maioria usa calças compridas e botas e capuzes pretos. Trata-se do John Brown Clube de Armas de Puget Sound, a caminho da Parada Trans de Seattle, para dar proteção aos participantes do evento.

O objetivo declarado dos integrantes da van é lutar contra a supremacia branca e construir a defesa da comunidade no noroeste do Pacífico, onde o grupo é frequentemente chamado para fornecer segurança contra a agressão da direita.

Cada membro tem uma pistola escondida. “Fazemos nossas ações de forma proporcional à ameaça, por isso, quando outras pessoas estiverem com fuzis, sairemos com rifles”, explicou Nick, porta-voz do grupo. “Nesse caso, não queremos parecer ameaçadores para as pessoas que estamos tentando proteger e apoiar. queremos que isso seja uma atmosfera feliz, especialmente para uma população que pode ter enfrentado a violência armada nas ruas apenas por ser quem é. ”

Na noite anterior, eles tinham sido chamados a uma biblioteca em Renton, Washington, onde uma drag queen ou drag king local lia para crianças e estava sendo interrompida por manifestantes de direita. Os manifestantes contra o evento o chamavam de como “imoral” e seguraram cartazes comparando a leitura com a pedofilia, e gritaram “Vergonha! Que vergonha! ”Para os pais e seus filhos. Entre eles estavam os membros dos Proud Boys, uma violenta gangue de rua de direita e a milícia Three Percenters, que portavam armas de fogo.

O noroeste dos EUA tem estado no centro de tensos confrontos políticos nos últimos dois anos. A área é uma base adotada para grupos de extrema-direita como o Patriot Prayer, o Identity Evropa / American Identity Movement e os Proud Boys, que organizaram inúmeras marchas que terminaram em violência. Em resposta, vários grupos de esquerda organizaram grupos de autodefesa e apresentam a posse de armas como forma de proteger a si e aos outros.

Há mais armas do que pessoas nos Estados Unidos – aproximadamente 393 milhões em um país de 328 milhões de pessoas. Uma média de 34.501 pessoas morreram a cada ano de armas de fogo; em 2018, 992 dessas mortes foram resultado de tiroteios policiais.

Vixen é trans e tomou a decisão de participar dos grupos armados depois das ameaças que o extremismo de direita representa para sua identidade.  “Hoje, sou uma mulher trans na Parada do Orgulho Trans, então sinto que sou pessoalmente capaz de entrar na frente e me colocar na frente de pessoas que estão sendo atacadas ou assediadas”, disse ela. “Obviamente, você nunca quer celebrar a necessidade de usar a força em alguém, mas rejeitá-la completamente como uma opção é realmente contraproducente.”

Até agora, nenhum dos membros teve que usar suas armas neste contexto. Mas eles e elas estão prontos, caso seja necessário, para combater a extrema-direita e o Estado.