Mas, e o “futebol arte”?
A “ocupação artística” no Pacaembu é, na verdade, uma grande invasão da burguesia, inimiga da história e da cultura nacional do futebol  
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Aerial view of the Pacaembu football stadium, in Sao Paulo, Brazil, on April 4, 2013. AFP PHOTO / Nelson ALMEIDA / AFP PHOTO / NELSON ALMEIDA
Pacaembu, ou Estádio Paulo Machado Carvalho, ou Patrimônio cultural do esporte nacional | Nelson Almeida/Estadão Conteúdo

Antes de começar a desmontar um patrimônio histórico e cultural da história do futebol brasileiro que é o Estádio do Pacaembu, o governo de São Paulo, PSDB, em associação com a Concessionária Allegre Pacaembu uma exposição artística no estádio. Anunciada como “ocupação artística”, e intitulado “Arte em campo”, a exposição procura trazer esculturas e algumas instalações de diversos artistas sobre o futebol e sobre o que representará o lugar no futuro.

Em parceria com 25 galerias e 54 artistas, que não têm muito a ver com o futebol, a exposição pretende receber cerca de 300 pessoas por dia, entre os dias 10 e 17 de dezembro, o que seria a última chance de ver o monumento do futebol brasileiro que é o Pacaembu.

O projeto de modernização do Pacaembu, como dizem os capitalistas, pretende unir “os pilares de cultura, lazer e esporte que faziam parte do conceito original do complexo. Queremos expandir a oferta para a população e ampliar a utilização do estádio”, segundo Eduardo Barella, um dos empresários interessados na modificação do estádio.

A área do tobogã, por exemplo, será demolida para a construção de um centro de convivência e de eventos. A arquibancada lateral, será demolida para a construção de uma arena de e-sports, com capacidade para 2 mil pessoas. Mas, o que seria e-sports?

E-sports é uma nova modalidade de esporte surgida no século XXI, baseada em jogos online, jogados através do computador. Os jogos são protagonizados por “atletas” sentados, mexendo seus mouses e apertando os botões, controlando seus bonecos, disputando com outro jogador ou equipe. Esse novo “esporte” recebeu financiamentos milionários dos capitalistas e atraem um público jovem, entre filhos da classe média e dos grandes capitalistas.

Pois bem, a “modernização” do Pacaembu é, na verdade, a venda de um patrimônio histórico e cultural do País para grandes empresários usarem em nome do lucro. A modernização não passa, apenas, de uma destruição da cultura nacional pelos capitalistas, financiada pela classe média podre do bairro nobre. Tudo isso fica muito claro desde o início, quando a exposição de artes é um evento que não rememora os momentos mais gloriosos da história daquele lugar, que perpassam pelo “futebol arte”, e não pela “arte em campo”. O Pacaembu, ou, o Estádio Municipal Paulo Machado de Carvalho, é uma verdadeira casa do povo, das torcidas organizadas, as verdadeiras donas da festa e do espírito alegre do futebol brasileiro.

A “ocupação artística” no Pacaembu é, na verdade, uma grande invasão da burguesia, inimiga da história e da cultura nacional do futebol.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas