Crise humanitária
Apoiado por parte da esquerda, Paes assume a prefeitura do Rio com duros ataques contra a população, o mesmo ocorrendo em SP, demonstrando a ditadura burguesa em todas as esferas
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
pobreza-nas-cidades
Favelas e miséria tendem a crescer com as "desobrigações" de Paes e Covas | Foto: Agência Brasil
pobreza-nas-cidades
Favelas e miséria tendem a crescer com as "desobrigações" de Paes e Covas | Foto: Agência Brasil

O início do ano trouxe também o começo -ou recomeço em muitos casos- das gestões municipais. De Norte a Sul do País, prefeitos são empossados nos cargos e, se mudaram os anos e os nomes, nada mudou em relação à penúria que vivem as cidades brasileiras, e menos ainda em relação a quem sofre as consequências da crise que vivem os municípios.

No Rio de Janeiro, o prefeito Eduardo Paes (DEM), logo em seu discurso de posse, se comprometeu em realizar uma “reforma” na Previdência municipal -claro que “reforma” aqui é um eufemismo para roubo-.

“Vamos desindexar contratos e desvincular receitas, desobrigar despesas e ampliar todo o arcabouço de responsabilidade fiscal”, disse Paes, seguindo, naturalmente, o receituário neoliberal, cujo essência traduz-se em “desobrigar despesas” que interessam ao povo e “ampliar todo o arcabouço” que interessa à burguesia.

Na última sexta-feira (1), o prefeito do Rio publicou 45 decretos emergenciais tratando dos temas anunciados em seu discurso, atingindo a previdência municipal, mudanças na tributação e uma lei de emergência fiscal, com o objetivo de desindexar contratos e desvincular receitas.

Similar é o caso de São Paulo. Na capital do estado mais rico do País, o prefeito reeleito, Bruno Covas (PSDB), iniciou seu segundo mandato com decreto para rever e renegociar  “todos os contratos, convênios, termos de colaboração, termos de fomento, termos de parcerias e contratos de gestão”, conforme a redação do decreto.

“(Enfrentamos) Uma crise econômica sem precedentes, que se segue a uma década perdida”, disse Covas em seu discurso de posse. “Uma crise social na qual a pandemia ampliou o já vexatório fosso que separa ricos e pobres e que se agrava com a mais alta taxa de desemprego da história.”

Covas determinou ainda que os órgãos da administração apresentem, até 31 de janeiro, proposta de demissão nos cargos comissionados e funções de confiança. As demissões devem atingir 10%, no mínimo, de cada órgão. 

 

Crise de quem?

“Nunca um prefeito assumiu com um cenário financeiro tão desastroso”, afirmou Paes. Com essa desculpa, o golpista do DEM apela para um expediente sabidamente demagógico -o pagamento dos salários atrasados da prefeitura-, para impor uma política que, como a experiência ensina, trará demissão em massa de funcionários públicos e cortes nos serviços públicos que beneficiam diretamente as massas pobres cariocas.

Esta mesma desculpa é usada para justificar os ataques anunciados pelo prefeito, que têm como fundamento um desequilíbrio fiscal de R$10 bilhões nas contas públicas.

De fato, é muito dinheiro. O que a propaganda burguesa “esquece”, é que as despesas financeiras -expediente criminoso pelo qual os bancos saqueiam diretamente os cofres públicos- levará a um rombo superior a R$8,5 bilhões, conforme a Lei Orçamentária (LOA) municipal para o ano de 2021.

Naturalmente, em São Paulo as coisas não são diferentes. Segundo a LOA para o ano de 2021, entre as despesas financeiras e o superávit, isto é, a economia de recursos públicos com cortes de investimentos, a cidade mais rica do País entregará aos bancos mais de R$12,4 bilhões, pelo menos. Em ambas as cidades, teríamos que acreditar que a farra dos grandes capitalistas esbarra na lei para supor que o saque das duas maiores metrópoles brasileiras acaba aí. Para não esquecer os mais de 4 mil municípios brasileiros onde a pirataria é equivalente.

 

De mal a pior

A verdadeira ditadura com a qual a burguesia comanda o País e as cidades brasileiras acabam transparecendo nos exemplos acima. Ainda que a burocracia esteja longe de ser um setor progressista, são as camadas mais empobrecidas da pequena burguesia -a base dessa burocracia- que irão pagar pela crise fiscal dos municípios com seus empregos.

Uma crise única e exclusivamente fruto da rapina promovida pela burguesia, porém, obviamente os donos do Estado não irão pagar a conta pelo desequilíbrio causado por eles, que de todo modo, precisa ser pago.

A destruição da infraestrutura, dos serviços essenciais, da aposentadoria dos servidores cariocas e dos empregos de 10% de cada órgão da administração pública paulistana pode afetar a população, mas isto por si só não comove os capitalistas que sob o véu da chamada “mão invisível”, controlam o Estado com mão de ferro.

 

Senso de oportunidade

Tendo interesses concretos e definidos, a burguesia está sempre atenta às oportunidades que as diferentes situações trazem. Com a recessão, não foi diferente. A pretexto de reagir contra a crise impulsionada pela pandemia, uma série de ataques diretos contra a população foram implementados, desde o rebaixamento salarial até a rapina aberta dos cofres públicos, situação que se mantém.

Ao conjunto da população, cumpre ter a clareza de que seus inimigos mortais, a classe burguesa, usarão de todos os expedientes possíveis para oprimir ainda mais o povo. Eventos como a maior crise econômica já registrada ou a mais letal pandemia não impediu a burguesia de aprofundar a rapina que vem realizando contra o País há décadas, ao contrário.

Nestes momentos de crise, a situação da classe trabalhadora fica ainda mais dramática, tanto quanto a monstruosidade da burguesia se revela em suas mais nítidas cores. É preciso um levante das massas para pôr um fim a este regime político de piratas genocidas, e no Brasil de 2021, isto começa com a campanha pelo governo dos trabalhadores e com Lula presidente.

Só com a mobilização popular, o cerco promovido pela burguesia pode dar lugar a um regime voltado aos interesses da população pobre, explorada e assassinada.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas