América Latina
Em seu discurso, Añez declarou que o governo do presidente argentino, Alberto Fernandez, oferece impunidade a Evo Morales para que este conspire contra a “democracia boliviana”
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
JEANINE-AÑEZ onu (1)
A presidente golpista, Jeanine Añez, em seu discurso virtual na Assembleia da ONU | ABI

A presidente golpista da Bolívia, Jeanine Añez, se aproveitou do seu discurso de quarta (23) na ONU para acusar o governo da Argentina de dar guarida ao ex-presidente Evo Morales, que ano passado buscou asilo político primeiramente no México e logo depois em solo argentino.

 

Em seu discurso, Añez declarou que o governo do presidente argentino, Alberto Fernandez, oferece impunidade a Evo Morales para que este conspire contra a “democracia boliviana” e questionou a autoridade de se intrometer do governo da Argentina mediante casos graves de investigações na Bolívia contra Evo, a quem ela chamou de “exdictador”.

 

Morales havia sido reeleito nas eleições de novembro de 2019, contudo acabou renunciando e cedendo à pressão dos militares e dos atos forjados pela extrema-direita, que levaram ao poder a senadora Jeanine Añez. 

  

Desde então, Evo Morales tem sido alvo de diversos tipos de acusações por parte do atual governo golpista boliviano. Uma delas é a de violações dos direitos humanos, pelas mortes que ocorreram após o golpe dado no país. Mortes essas que, na verdade, ocorreram mediante protestos populares contra  a derrubada do presidente boliviano e a instauração do golpe no país.

As últimas acusações contra Evo, são de um suposto envolvimento com uma menor de idade e acusação de estupro por parte da Defensoria da Criança em La Paz.

 

Jeanine Añez, acusou de “kirchnerista” o atual governo e de forma demagógica disse que respeita o peronismo, mas não o atual governo argentino, disse que apesar de diferenças ideológicas com Cuba, mantém as relações diplomáticas, e , por último, exaltou a Revolução de 1952 na Bolívia.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas