Repressão à cultura
Ancine “fecha para balanço” sob pressão de Bolsonaro
É uma ditadura se consolidando.
cinema
Repressão à cultura
Ancine “fecha para balanço” sob pressão de Bolsonaro
É uma ditadura se consolidando.
Os cinemas só podem passar filmes com “temática do nosso lado”, diz Bolsonaro.
cinema
Os cinemas só podem passar filmes com “temática do nosso lado”, diz Bolsonaro.

A Agência Nacional de Cinema (Ancine) está sendo pressionada por Bolsonaro. Está prestes a ficar com apenas um diretor e teve o seu presidente, Christian de Castro Oliveira, afastado. A agência deve “fechar para balanço” e rever regras sobre liberação de recursos. O órgão tenta se blindar para que os critérios de Bolsonaro não se tornem a regra para as tomadas de decisão sobre as produções audiovisuais no País. Além da pressão do TCU e do afastamento do presidente, a crise institucional é reforçada pelo fato de que o órgão deveria cortar mais de 70% das suas atividades para operar, segundo estudo interno.

Bolsonaro havia afirmado que “cortaria a cabeça” dos dirigentes da Ancine e que colocaria um presidente evangélico no órgão. No programa da youtuber Antonia Fontenelle, na segunda, dia 2, Bolsonaro afirmou que é preciso tirar de órgãos públicos pessoas que “não aprovam” filmes com “temática do nosso lado”. Ainda complementa: “o tempo vai fazer a gente descontaminar esse ambiente para a boa cultura no Brasil”. Em agosto, o Ministro da Cidadania, Osmar Terra (MDB), suspendeu séries temáticas para emissoras públicas de televisão, que tratavam de temas LGBT. A suspensão do edital referente a essas séries levou Henrique Pires a se demitir do cargo de Secretário Especial de Cultura, do ministério de Terra. Ele declarou que deixou o cargo por não concordar com as políticas de censura.

Os integrantes da agência querem que decisões como a de suspender um edital ou discutir que tipo de filme pode ser financiado, sejam feitas de forma pública, para evitar decisões arbitrárias do governo, como a de Terra. Para isso, seria necessário recompor a diretoria-colegiada e o Comitê Gestor do Fundo Setorial do Audiovisual.

Como já vínhamos observando, a Ancine está sendo alvo de fortíssima censura e controle, limitando a produção cultural de forma absurda. Bolsonaro se vê no direito de impor os seus valores à população como um todo. Trata-se de uma ditadura se consolidando. A extrema-direita é inimiga da cultura e precisa silenciar e reprimir a sociedade para aplicar seu programa de ataques à população.