Siga o DCO nas redes sociais

Ancine cerceia o cinema.
Ancine aumenta cerco contra filme que tratam sobre negros
O governo golpista de Jair Bolsonaro (PSL) dá mais uma mostra ditatorial e faz controle absoluto do cinema nacional.
cartela-ancine-widescreen-e1497455232255-1280x720-300x169
Ancine cerceia o cinema.
Ancine aumenta cerco contra filme que tratam sobre negros
O governo golpista de Jair Bolsonaro (PSL) dá mais uma mostra ditatorial e faz controle absoluto do cinema nacional.
A Ancine está nas mãos de um governo golpista que é contra a cultura e o cinema.
cartela-ancine-widescreen-e1497455232255-1280x720-300x169
A Ancine está nas mãos de um governo golpista que é contra a cultura e o cinema.

O cerco autoritário – do governo golpista do fascista Jair Bolsonaro (PSL) – vem se fechando a cada dia. Segundo o colunista do jornal O Globo, Lauro Jardim, a Agência Nacional do Cinema (Ancine) decidiu – arbitrariamente – cancelar o apoio financeiro a filmes que tenham como temáticas LGBT e a militância negra.

Ainda segundo o colunista, sob enorme pressão do governo golpista, a Ancine mudou de ideia, rescindindo o termo de permissão que dava aos cineastas responsáveis por Greta e Negrum3 ajuda financeira de R$ 4,6 mil cada para participação no evento que acontece a partir desta sexta-feira (20), em Lisboa.

Descrito no resumo oficial como: “Entre melanina e planetas longínquos, propõe um mergulho na caminhada de jovens negros da cidade de São Paulo. Um filme‐ensaio sobre negritude, viadagem e aspirações espaciais dos filhos da diáspora”, o filme Negrum3 trata da vivência de pessoas negras em São Paulo. Já no filme Greta, estrelado por Marco Nanini, o enredo trata da vida um enfermeiro homossexual fã de Greta Garbo. O filme, com efeito, chegara a selecionado para o Festival de Berlim deste ano.

Diante destes casos, fica evidente que estão impondo um cerco para censurar os filmes com caráter progressista ou minimamente de esquerda. Essa, portanto, constitui mais uma medida autoritária e ditatorial do governo golpista de Bolsonaro.