Análise histórica da rendição de Lula em tempo real: como foi a “Análise Política da Semana” em 7 de abril

Nesse sábado, o companheiro Rui Costa Pimenta fez uma análise histórica em tempo real do que ocorria na ocasião da incerteza da prisão de Lula, a declaração de que o ex-presidente iria se entregar e as consequências de tudo isso.

Essa análise, que já foi assistida 20 mil vezes no canal da Causa Operária TV no YouTube (em apenas dois dias), mostra na prática a visão materialista, científica e clara do PCO sobre a situação política.

Sobre isso é preciso tirar duas conclusões.

A primeira é que o curso da história é previsível segundo alguns parâmetros-base, a luta de classes.

A segundo é que qualquer análise política clara deve partir de uma pesquisa de base e distanciar-se das “modas” lançadas pelos meios de comunicação da burguesia.

Essas são as bases que explicam a afirmação recorrente, feita pelos espectadores da “Análise Política da Semana”, de que o PCO, na figura do companheiro Rui Costa Pimenta, “sempre acerta” nas previsões políticas (ele já está falando sobre e combatendo o golpe desde 2013, por exemplo). Isso também possibilita que se analise claramente os fatos no mesmo momento em que eles ocorrem.

Assim que Lula decidiu entregar-se, o companheiro Rui colocou-se claramente sobre a situação: foi um erro entregar-se, foi um erro ceder aos golpistas, foi uma derrota imposta a esquerda. Mesmo com a situação desfavorável, a orientação política do PCO continua a mesma: mobilizar-se e lutar contra a prisão e o golpe de Estado. E é essa política que está sendo colocada em prática e se desenvolvendo neste momento, em que a tendência à ocupação de Curitiba se aprofundando.

Nesse crescimento da experiência de mobilização política da população brasileira, o povo vai se educando sobre seu próprio poder de ação política. E, com base nessa evolução da consciência de classe, emergem movimentos reivindicatórios em todos os âmbitos – político, social e econômico. Por isso, como disse o companheiro Rui Pimenta, nessa mesma análise, as greves de 78 do ABC vieram após um longo período de agitação política contra a ditadura militar. Mesmo com a ditadura militar ainda no poder, irromperam as enormes greves que fortaleceram o movimento operário que conseguiu derrubar o governo militar.

As movimentações sociais dos últimos tempos já têm levantado setores da classe trabalhadora. No ato de São Bernardo, por exemplo, como bem salientou o presidente nacional do PCO, a prevalência da militância de esquerda diminuiu frente a ampliação da participação de trabalhadores, particularmente dos metalúrgicos. O engajamento dessas bases é fundamental para a vitória de qualquer luta popular.

Outro fato importante comentado na Análise, é o caráter antipopular das manifestações coxinhas. Como no caso vazado da Sky, as manifestações pró-golpe são feitas com pessoas pagas, ou obrigadas a comparecer aos atos com medo de não serem demitidas. Essas manifestações são empreendimentos capitalistas, muito diferentes de uma mobilização social real. Dessa mesma forma, crescem os movimentos facistas, financiados pelo própria burguesia para esmagar as organizações operárias e populares.

Somente a análise correta, marxista, da situação politica pode produzir uma orientação efetiva para a luta política da classe operaria.

Análise Política da Semana, com o companheiro Rui Costa Pimenta, acontece todos os sábados, às 11h30. É realizada no auditório Friedrich Engels, no Centro Cultural Benjamin Péret e transmitida ao vivo pela Causa Operária TV.