Política de mortes na América.
A luta contra essa situação e uma agenda de trabalho onde o bem estar e a saúde do trabalhador venha em primeiro lugar é uma conquista que só as ruas pode trazer.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
américa latina
Mapa do coronavírus na América Lantina e Central. | Blog Esquerda Diário

Nas últimas semanas, o cenário piorou sensivelmente na América Latina e no Caribe, com a epidemia muito ativa. A região superou, ontem, 121 mil óbitos. Além do Brasil, com mais de 60 mil mortes, preocupa a situação no Peru, onde os casos da covid-19 explodiram, em meio a medidas de flexibilização do confinamento.

O Peru, que há dois dias superou o número de 10 mil mortes provocadas pelo novo coronavírus, além de estar à beira do colapso do sistema sanitário, é também a segunda nação na América Latina em número de casos.  Muito embora tudo isso, o governo suspendeu a quarentena na quarta-feira em 18 dos 25 departamentos do país, incluindo Lima.

O Estado da Flórida, que registrou, na quinta-feira, o maior número diário de infecção chegando a 10 mil casos, já beira o colapso do sistema de saúde, ainda mais agravado pelo fato de caminhar para a flexibilização do isolamento social.

O balanço da AFP dá o tom dramático da situação que, até ontem, apurou mais de 521 mil óbitos e perto de 11 milhões de contágios pelo novo coronavírus em todo o mundo. Os Estados Unidos é o país mais afetado do planeta, registrando mais de 128 mil óbitos, já se tornando também, o maior número de diagnósticos diários, com 53 mil novas infecções, o que traz um alerta especialmente pela proximidade da comemoração do dia da independência no 4 de julho, pela possibilidade de aglomeração na festividade.

Na Europa, onde a propagação do vírus parece controlada, os governos se apressam a anunciar as medidas de flexibilização para tentar salvar a temporada de verão, crucial para muitos países. A partir de 10 de julho, os viajantes procedentes de quase 50 países estarão isentos da quarentena de 14 dias imposta pelo governo do Reino Unido — o Brasil não está na lista.

Michael Ryan, chefe de emergências da saúde da OMS, preocupado com o México, mas também com a repercussão em todo o mundo disse que: “É hora de os países olharem para os números. Por favor, não ignorem o que os números dizem”. E continuou: “As pessoas devem acordar. Os números não mentem e a situação no terreno não mente”.

Representando a OMS, e a partir da análise da situação do México, a América Latina, e o Caribe, Ryan fez um apelo aos governantes de todo o mundo para que “acordem e lutem” contra o coronavírus. Ele enfatizou que os números mostraram a superação dessa região em relação à Europa, em número de casos da covid-19. São mais de 2.735.107 milhões diagnósticos oficialmente contabilizados, que ocupa o segundo lugar em registros, atrás dos Estados Unidos e Canadá (2.844.522). O continente europeu continua sendo o líder no ranking de mortes, com 198.310 vítimas, de acordo com levantamento da agência de notícias France-Presse (AFP).

Por fim, Ryan lembra que a OMS entende perfeitamente os motivos pelos quais os países buscam abrir suas economias, mas advertiu que o coronavírus é um problema que não pode ser ignorado. “Não desaparecerá como que por mágica”, insistiu.

Na realidade a OMS é um braço da ONU, e não faz mais do que cumprir com as determinações do imperialismo, e, ainda que esteja diante de um quadro dramático como esse, ela, no final das conta vai sempre apoiar a política que deixa de lado o bem estar e a saúde dos trabalhadores e a população, cujo risco grande de piora com contágio e morte pelo coronavírus é, e sempre vai ser, preterido à flexibilização e reabertura ao comércio e a economia, conforme mandam os interesses da burguesia.

A luta contra essa situação e uma agenda de trabalho onde o bem estar e a saúde do trabalhador venha em primeiro lugar é uma conquista que só uma contundente manifestação nas ruas pode dar. Garantia de emprego, isolamento social, e apoio do governo aos desempregados, só será possível com muita luta, principalmente no Brasil, onde a condição para isso depende de afirmar o “Fora Bolsonaro e todos os golpistas”.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas