O regime em um impasse
As eleições estão marcadas por ameaças e ataques da direita e da extrema direita contra a vontade popular
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
urna
Manipulação e fraude são a marca das eleições municipais | Foto: Arquivo/DCO

O golpe de Estado de 2016, que depôs, ilegal e arbitrariamente, o governo eleito pelo voto popular, abriu no país uma enorme crise não somente social e econômica, mas principalmente política, tendo como uma das expressões a ascensão da extrema direita, que se instalou no poder como resultado da fraude e da manipulação das eleições de 2018. Elementos fascistas e os militares apoiadores do governo eleito sob o signo da fraude passaram à ofensiva, ameaçando de forma permanente o país com intervenção militar e golpe de Estado.

A crise na qual o país está mergulhado, expressa em todos os terrenos, em particular na arena política, coloca em relevo a luta das diversas frações da direita e da extrema direita, que lutam pelo controle das instâncias de poder do Estado e, obviamente, também por ter nas mãos o controle do orçamento público estatal.

Neste cenário de guerras e disputas, as eleições municipais de novembro próximo se converteram num verdadeiro faroeste eleitoral, com cenas explícitas de bangue-bangue. Para se ter uma ideia do que isso representa, mesmo antes da confirmação dos nomes que concorrerão aos cargos de prefeito e vereador, o Brasil registrou ao menos 27 casos de assassinatos e atentados contra políticos eleitos, candidatos e pré-candidatos. Isso só em 2020, de acordo com um estudo da organização de direitos humanos “Terra de Direitos e Justiça Global”, divulgado recentemente. Não faltam também ameaças cotidianas a jornalistas e ataques a sítios progressistas, como o Diário do Centro do Mundo (DCM) e GGN, vítimas de processos judiciais, insultos e ofensas ameaçadoras por parte de elementos da extrema direita reacionária.

O clima de radicalização é o que vem marcando o momento político do país, que certamente irá se agudizar no pleito eleitoral. Esta situação é reveladora da enorme crise na qual está imerso o conjunto do regime político, sendo as eleições uma das expressões deste enorme impasse em que se encontra o núcleo golpista, incapaz de oferecer uma saída estável e duradoura como resposta à crise da burguesia e suas diversas frações.

Este quadro caótico e de crise não pode ser superado no marco das eleições, controladas e manipuladas pela camisa de força das instituições apodrecidas do regime burguês, avalista de todas as maiores ilegalidades perpetradas pelos neoliberais golpistas contra as massas populares e a esquerda nacional. A luta para levar adiante um programa que coloque na ordem do dia as necessidades e reivindicações mais sentidas dos trabalhadores e da população – ainda que no terreno limitadíssimo das eleições – somente pode se dar sobre a base da defesa de uma política independente, classista e não comparecer às eleições para semear ilusões grotescas e infantis, como vêm fazendo a esquerda pequeno-burguesa (PCdoB, PT, PSOL, etc).

Em oposição a todo o distracionismo e a fraude que a burguesia montou como cenário para as eleições, faz-se necessário não só denunciar o caráter restritivo e antipopular das eleições, como trabalhar pela mobilização do povo trabalhador como método de luta e resposta às manobras da burguesia e dos golpistas para impedir a participação dos trabalhadores e oprimidos no pleito eleitoral.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas