Extrema direita no Brasil
Quase todos estes grupos apoiam o presidente Jair Bolsonaro ou afirmam que este é muito moderado.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Manifestação PEC37-2013 (44)
Carecas do Subúrbio. Foto: Carecas do Subúrbio |

De acordo com uma pesquisa feita por Adriana Abreu Magalhães Dias, antropóloga da Unicamp, existem cerca de 334 célula nazistas no Brasil. Segundo a pesquisa, a maioria destas células se encontram nas regiões Sul e Sudeste e estão dividas entre cerca de 17 organizações de extrema-direita – dentre as quais: hitleristas, separatistas, negacionistas do holocausto e setoriais da Ku Klux Klan (KKK).

Segundo informações da Rede Brasil Atual: “A pesquisa mostra que há registros de grupos localizados em cidades como Fortaleza, João Pessoa, Feira de Santana (BA) e Rondonópolis (MT). Porém, o estado com mais células é São Paulo, com 99 grupos, sendo 28 só na capital. Santa Catarina vem logo atrás com 69 células, seguido por Paraná (66) e Rio Grande do Sul (47). Há exemplos também de estados que estavam sem registros de atividades até pouco tempo, mas começam a ganhar corpo, como Goiás, que já possui seis grupos nazistas. As células são compostas por três a 40 pessoas.”

Em sua pesquisa Adriana também identificou mais de 6.500 endereços eletrônicos de organizações nazistas na língua portuguesa e dezenas de milhares de neonazistas brasileiros em fóruns internacionais na internet.

“São grupos de pessoas que conversam, que se reúnem, e eu localizei essas reuniões por sites na internet, blogs ou fóruns. Nenhum deles tem uma corrente única. Eles leem autores que, pelo mundo, brigam um com o outro”, afirmou a pesquisadora.

Na internet, a antropóloga afirma que os grupos, que estão presentes no Twitter, promovem uma postagem antissemita a cada quatro segundos. Ela calculou também que há uma postagem a cada oito segundos em português contra negros, pessoas com deficiência e LGBTs.

Com isso, fica clara a ameaça que a extrema-direita é. Não se trata de teoria da conspiração ou de qualquer coisa do tipo. Quase todos estes grupos apoiam o presidente Jair Bolsonaro ou defendem que este é muito moderado, defendendo uma postura mais radical contra a esquerda e os setores oprimidos da sociedade.

Por isso, é importante mobilizar contra a extrema-direita. É preciso colocá-los de volta para o esgoto da sociedade. É preciso reagir contra qualquer agressão da extrema-direita e expulsá-los quando tentarem intimidar a esquerda.

Neste sentido, para entender como surge o fascismo e como combatê-lo é fundamental participar da 45ª Universidade de Férias do Partido da Causa Operária (PCO) – Fascismo: o que é e como combatê-lo, parte 2.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas