Queimadas Amazônia Legal
Com o início da estação mais seca do ano, a Amazônia tem as três primeiras semanas de junho com maior número de focos de queimadas desde 2007
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
2019-08-28T194310Z_1_LYNXNPEF7R1WK_RTROPTP_4_EUA-G7-AMAZONIA-AJUDA (1)
Incêndio na floresta amazônica em Altamira, no Pará 27/08/2019 | Foto: Nacho Doce/REUTERS

Com o início da estação mais seca do ano, a Amazônia tem as três primeiras semanas de junho com maior número de focos de queimadas desde 2007. Entre o dia 1 e o dia 21 de junho, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) através do seu Programa Queimadas, detectou 1.469 focos de incêndio na Amazônia, o número é 30,5% superior ao documentado no mesmo período de 2019 de 1.125 focos.

 

Os incêndios estão concentrados no estados do Mato Grosso e Pará, os dois estados também lideraram os ranking de desmatamento entre 2018 e 2019. No último ano foram devastada mais de 10.000km² de mata no bioma amazônico.

 

Segundo a filial brasileira da ONG World Wide Fund for Nature (WWF-Brasil) durante as primeiras semanas de junho o crescimento no número de focos de incêndio na Amazônia foi 50% superior à média histórica da última década. “Esse mês já começa a refletir como vai ser a estação que está por vir”, afirma o diretor de conservação e restauração da WWF-Brasil, Edegar de Oliveira.

 

Na maioria dos estados que abrigam a Amazônia Legal houve um crescimento no número de focos de incêndios em relação ao ano de 2019. Os maiores aumentos de índices percentuais foram os seguintes: Amazonas (52%), Acre (50%) e Amapá (75%, de 4 para 7 focos). Havendo redução até o momento, sendo a mais a que ocorreu em Roraima, com quase 3.000 focos de fogo a menos (diminuição de 64%).

 

Segundo Ane Alencar, diretora de ciência do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam): “Mato Grosso está maior, Pará está maior, Rondônia maior, Amazonas maior. Esses quatro estados representam grande parte do desmatamento na Amazônia”. 

 

Como desmatamento e queimadas no bioma amazônico estão intimamente ligados, onde os grileiros primeiro desmataram a floresta e depois usam o fogo para limpar o terreno. Os pesquisadores já vinham alertando sobre um possível  crescimento das queimadas neste ano de 2020, graças aos níveis de desmatamento de 2019.

 

Segundo a Nota Técnica N 4 de junho de 2020 do Ipam, face a vegetação derrubada entre janeiro de 2019 e abril de 2020, ainda há 4,509km² de mata derrubada que devem ser criminosamente queimadas. Ou seja 45% que foi desmatado entre 2019 e 2020 ainda poder ser queimado.

 

Os dados demonstram que as operações de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) na Amazônia desde agosto de 2019 para “ações preventivas e repressivas contra delitos ambientais” e “levantamento e combate a focos de incêndio” não apenas foram ineficientes no combate ao desmatamento e queimadas, como após a GLO o desmatamento e queimadas na Amazônia Legal bateram recordes históricos.

 

A situação deixa claro que os militares enviados a longe de realizar uma ação de proteção ambiental tem como missão de intervir nos conflitos pela terra na região, protegendo os grileiros e perseguindo os trabalhadores e posseiros. Não sendo à toa que o nível de conflito no campo aumento vertiginosamente, junto com este a opressão a sem-terra, populações tradicionais e indígenas após a GLO.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas