Milhares de mortes
Bolsonaro, o presidente genocida e os governadores são os responsáveis pela maior tragédia que o pais vivencia em muitas décadas
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Manaus
A tragédia de Manaus em breve se estenderá a todo o país. | Foto: "Reprodução"

O Brasil alcançou na quinta-feira, dia 7 de janeiro, a trágica e catastrófica marca das 200 mil mortes em decorrência da Covid-19, a pandemia mundial que vem devastando o planeta, mas que deixa um rastro de destruição ainda maior nos países econômica e socialmente mais frágeis, submetidos à rapinagem das grandes potências, ou seja, o imperialismo mundial e sua política genocida e criminosa contra os povos oprimidos e indefesos.

Muito embora a epidemia tenha se alastrado por todo o território nacional, infectando e levando a óbito brasileiros em todas as regiões, uma unidade da federação vem se destacando das demais pelo que vem demonstrando de mais horrendo e macabro nesta tragédia que parece não ter fim. Desde o início da pandemia do Coronavírus em nosso país, o Amazonas vem apresentando estatísticas verdadeiramente alarmantes no que diz respeito não somente em relação  aos trágicos números, mas também oferecendo ao país uma lição do que representam e como atuam os governos  antipopulares e burgueses, alheios ao sofrimento da população pobre  e explorada do país.

Para termos uma ideia do que isso representa em números, a capital do estado, Manaus, registrou em  só dia o sepultamento de 110 pessoas. A marcaa, assustadora e alarmante, foi atingida na quarta-feira, dia 6 de janeiro, sendo que desse total, dezenove pessoas morreram em casa, quer dizer, fora do ambiente hospitalar, revelando a dimensão da catástrofe, “pois não há vagas na rede privada e com a rede pública operando com média acima de 90% de taxa de ocupação de leitos de UTI e leitos clínicos nas duas últimas semanas” (El País, 8/1)

Esses números revelam, inequivocamente, que a capital amazonense enfrenta a segunda onda da pandemia, iniciando o ano na fase mais grave, onde a previsão de esgotamento de leitos de UTI está prevista para a próxima semana. Nem falar do caos vivenciado no imenso e vasto interior do estado, onde a situação é ainda pior, onde não há nenhuma unidade de terapia intensiva. Para completar o quadro de verdadeira hecatombe clínica e social (se é que ainda há espaço para mais tragédia), o governador direitista Wilson Lima (PSC) apenas vem remanejando vagas de outros setores e até mesmo hospitais em obras recebem pacientes acima da capacidade.

Este é o quadro que muito em breve estará sendo vivenciado por grande parte do país, expondo com toda a crueza e dramaticidade o caos no qual o Brasil está chafurdado sob o governo de extrema direita e da política de igual genocídio perpetrada pelos governadores, que se esforçam para tentar se descolarem da figura nefasta, macabra e sinistra do presidente fraudulento Jair Bolsonaro, mas que a cada fica mais clara a ligação direta entre a política do ocupante clandestino do Planalto e os chefes dos executivos estaduais no tratamento que dispensam aos doentes da covid-19.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas