Menu da Rede

Para fazer crescer o movimento é preciso ir aos trabalhadores

Anterior
Próximo

Apartheid mundial

Am. Latina: 1 milhão de mortos e apenas 3% da população vacinada

O monopólio das vacinas pelos países imperialistas Estados Unidos e União Europeia significa o genocídio na África, Ásia e América Latina.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

A distribuição mundial das vacinas demonstra que a vida de determinados povos valem mais do que de outros – Reprodução

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), divulgados na sexta-feira, 21 de maio, a América Latina registrava 997.364 mortes em decorrência da pandemia do coronavírus.

A primeira nação mais atingida é o Brasil, com 448.291 óbitos oficiais. Das mortes registradas nos países latino-americanos e caribenhos, 44,3% aconteceram neste país. Em segundo lugar está o México, com 220.850 óbitos, o que equivale a 22,1% do total

Em terceiro lugar, Colômbia, com 82.743 mortes, equivalente a 8,3% do total. Na sequência aparecem Argentina, com 72.265 mortes e 7,2% do total, e Peru, com 67.034 e 6,7%.

A própria OMS destaca a subnotificação dos dados, o que dificulta uma análise precisa do desenvolvimento da doença no continente. Os números reais de mortos podem ser até três vezes maior que o registrado pelos países.

Apesar de ser uma das regiões mais atingidas do mundo, a América Latina conta com somente 3% de sua população imunizada. A Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) disse que “a região é um epicentro do sofrimento da covid-19. Também deveria ser um epicentro da vacinação”.

No Brasil, o maior e mais populoso país do continente, cerca de 9,65% da população recebeu duas doses da vacina. O país trabalha com três medicamentos: AstraZeneca/Oxford, CoronaVac/Sinovac-Butantã e Pfizer-BiONtech. A vacina russa Sputnik V, produzida pelo Instituto Gamaleya de Moscou, teve sua autorização de uso negada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Por outro lado, os Estados Unidos já vacinaram 38,5% de sua população, conforme dados do Centro de Controle de Doença (CDC, sigla em inglês). No continente europeu, 16,5% da população com mais de 18 anos recebeu a imunização. A Hungria é a nação que mais aplicou vacinas, com 34,8%.

Os Estados Unidos e a União Europeia praticamente monopolizam a produção e distribuição das vacinas. Os dados mais altos de vacinação estão nesses países. Elementos da burguesia brasileira estão se deslocando para os Estados Unidos para se vacinarem, enquanto a população morre sem vacina ou à espera de leitos de UTIs nos hospitais. 

A pandemia avança nos países da América Latina. No Brasil, a situação está completamente fora de controle. São milhares de mortes diárias e dezenas de milhares de novas infecções que constam nos registros oficiais. Os dados são subnotificados e manipulados pelas autoridades para esconder a realidade da população. 

A política golpista no continente é a responsável pela extrema debilidade das economias nacionais e as dificuldades no enfrentamento à doença. Os sistemas públicos de saúde, como Sistema Único de Saúde (SUS) no Brasil, foram submetidos a décadas de políticas privatistas e Parcerias Público-Privadas (PPP) que deram dinheiro para os grandes capitalistas. A saúde tornou-se um balcão de negócios, que se revela com maior clareza no período da pandemia.

O imperialismo impôs um verdadeiro apartheid mundial das vacinas. Os medicamentos e os meios de produzi-los são monopolizados pelos países capitalistas desenvolvidos. Enquanto isso, o genocídio se desenvolve na Ásia, África e América Latina. O mecanismo das patentes significa o monopólio dos laboratórios e, naturalmente, lucros astronômicos. 

A disputa em relação às vacinas é uma briga de quadrilhas. Os laboratórios se enfrentam na luta pelo mercado mundial. O que menos interessa, se é que interessa, é a vida.

O imperialismo não tem qualquer preocupação humana e humanitária com relação aos destinos dos povos dos países atrasados da África, Ásia e América Latina. E isso não é de agora. Estes países são submetidos à dominação política e econômica que tem como um dos seus mais dramáticos efeitos a inviabilização do desenvolvimento nacional. A luta que estes países travam é pela sua independência nacional, condição prévia para o desenvolvimento. 

Portanto, o genocídio nos países atrasados é resultado direto da política do imperialismo. O monopólio das vacinas faz com que milhões de pessoas morram em virtude da falta de aplicação de um medicamento que já existe e está disponível. 

O golpe de Estado de 2016 no Brasil só foi possível graças à articulação política montada e dirigida pelo imperialismo junto à burguesia brasileira e seus representantes políticos no Congresso Nacional. Na sequência da queda da presidente Dilma Rousseff (PT), o governo capacho do imperialismo de Michel Temer implementou a PEC do congelamento e teto de gastos públicos. Este é o principal obstáculo para o enfrentamento à pandemia, já que veda o uso de recursos públicos de forma massiva para atacar o problema.

Nos demais países da América Latina e Caribe a dificuldade no combate à doença é também resultado da dominação imperialista. Os mecanismos de monopólio se centram na concentração dos meios de produção do medicamento e nas patentes.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores
O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.