Todo o governo é nazista
Alvim é tão nazista quanto Goebbels e Bolsonaro é tão nazista como Hitler
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Reunião com Irene Ferraz do Instituto Brasileiro do Audiovisual - Escola Darcy Ribeiro 13/01/2020 Fotos: Clara Angeleas
Alvim, um dos inúmeros fascistas do governo Bolsonaro. Foto: Clara Angeleas/Secretaria de Cultura |

Da redação – O secretário especial da Cultura, Joseph Goebbels, ou melhor, Roberto Alvim, foi demitido após expressar a opinião do governo de Jair Bolsonaro a respeito das artes, fazendo uma referência direta e quase literal ao nazismo.

Em vídeo de divulgação do programa bolsonarista para a pasta, Alvim declarou: “A arte brasileira da próxima década será heroica e será nacional. Será dotada de grande capacidade de envolvimento emocional e será igualmente imperativa, posto que profundamente vinculada às aspirações urgentes de nosso povo, ou então não será nada.”

A fala é a mesma de Joseph Goebbels, ministro de propaganda nazista, ideólogo de todo o sistema propagandístico de Adolf Hitler e pai das chamadas “fake news” da direita. “A arte alemã da próxima década será heroica, será ferreamente romântica, será objetiva e livre de sentimentalismo, será nacional com grande páthos e igualmente imperativa e vinculante, ou então não será nada”, disse o nazista alemão na sua época.

Os assessores da secretaria de Cultura confirmaram que Alvim sabia que estava parafraseando Goebbels.

Depois de muita repercussão negativa a nível mundial, Bolsonaro foi obrigado a exonerar seu secretário. Não foi por discordar da frase e muito menos da ideologia dos inspiradores de Alvim, mas puramente pela total má impressão que deu para seu governo.

Bolsonaro é um fascista, assim como Hitler. Bolsonaro tem como ídolos os ditadores fascistas Augusto Pinochet, Alfredo Stroessner e todos do regime militar brasileiro, bem como o torturador Carlos Alberto Brilhante Ustra. Tem um discurso abertamente anticomunista e promove uma perseguição e intensa repressão aos movimentos populares, com a intenção de exterminar a esquerda.

O presidente ilegítimo tem como missão “livrar o Brasil do comunismo”, assim como Hitler prometeu “livrar a Alemanha do judaico-bolchevismo”. Não é demitindo um secretário que Bolsonaro deixará de ser fascista e essa demissão não significa nada quando o governo inteiro é composto por fascistas, do nível de Weintraub, Ernesto Araújo e Sérgio Moro. É preciso, portanto, derrubar o governo Bolsonaro como um tudo, lutando para concretizar a palavra de ordem que está na boca do povo: Fora Bolsonaro!

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas