Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
dias5769aa-6919817
|

Um grupo de estudantes da PUC-Rio realizou, na última quinta-feira (7), novo protesto contra o racismo na Universidade. O coletivo de estudantes Nuvem Negra percorreu os corredores da universidade com palavras de ordem e voltaram a colar cartazes, que haviam sido arrancados pela extrema-direita. Os estudantes também leram um manifesto dirigido a Universidade. O mote mais imediato deste protesto foi a prática de racismo cometida por alunos da própria PUC durante os Jogos Jurídicos em Petrópolis.

Nas universidades particulares, sobretudo, as de maior prestígio, o reflexo da opressão racial é demasiado evidente; a presença do negro é extremamente diminuta e a ideologia racista domina todos os âmbitos da Universidade, manifestando-se mais ou menos abertamente a depender da correlação de forças e da situação política geral. O golpe de Estado e o governo golpista,  evidentemente, criam uma situação favorável a manifestações racistas mais explícitas, e práticas abertamente fascistas contra a população negra, na medida em que é um governo dos opressores e exploradores do povo negro e dos trabalhadores do país

Uma destas manifestações e que motivou protestos, se deu nos jogos jurídicos, atividade esportiva entre Universidades. Ao sair de uma partida de futebol, em que sua equipe venceu a PUC-Rio, o estudante da Universidade Católica de Petrópolis, Maicon Nascimento, 26 anos, foi atingido por uma casca de banana. o insulto veio da Torcida da PUC.

Os estudantes da PUC -Rio protestaram contra o racismo manifestado por estudantes da Universidade e colaram cartazes no CA denunciando o racismo. Os cartazes foram, porém todos arrancados pela extrema-direita racista da Universidade. O que motivou este novo protesto.

 

Leia aqui o manifesto dos Estudantes contra o racismo da direita:

Lélia González (presente); Zumbi dos Palmares (presente); Luísa Mahin (presente); Luiz Gama (presente); Mãe Beata de Iemanjá (presente); Patrice Lumumba (presente); Abdias do Nascimento (presente); Marielle Franco (presente); Dandara (presente); jovens de Costa Barros (presente); Cláudia Ferreira (presente)!

Escute bem, PUC-Rio!

Nós, alunos negros da PUC-Rio (presente), Cefet (presente), UFF (presente), Uerj (presente), UFRJ (presente), não toleramos racismo! E viemos aqui pedir providências. O racismo está enraizado no longo processo acadêmico da PUC e se perpetua até hoje. O histórico recorrente nos trotes, em sala de aula e nos jogos, evidencia o racismo institucional na universidade. Que se torna hostil pelo racismo, e não representativo para alunas e alunos negros, indígenas e periféricos.

O racismo não é um problema apenas da PUC-Rio. O racismo é um problema de todas as Universidades! O que ocorreu nos Jogos Jurídicos não foi pontual. A conduta praticada pela delegação da PUC-Rio demonstra que ainda temos muito o que avançar! Não descansaremos enquanto não garantirmos um ambiente seguro para os alunos negros, seja nos Jogos como em todos os espaços universitários. A PUC também é nossa por direito!

A postura adotada pela Atlética de Direito da PUC-Rio, bem como por outros alunos da faculdade, além de desrespeitosa, é racista. A omissão em relação ao ocorrido, desde fingir assinar uma nota, alegar que as denúncias são apenas boatos, não assumir a responsabilidade, arrancar cartazes de protesto, tudo isso faz com que a delegação, bem como toda a faculdade de Direito da PUC, seja também responsável pelos atos racistas praticados em Petrópolis.

O comportamento tido pelos alunos até agora, com enfoque na Atlética de Direito, demonstra desacordo total com o exposto na reunião da Liga que, ainda em Petrópolis, concordou com o compromisso de manter uma postura antirracista. Enquanto nenhuma atitude for tomada, vocês vão continuar sendo coniventes com o ocorrido e consequentemente legitimadores de atos racistas.

Quando bradamos que o povo preto é povo unido, dizemos que ao atacar uma pessoa negra, está atacando a todos nós! E, todos nós, cientes dessa agressão, responderemos em conjunto!

A nossa nação foi estruturada por 338 anos de cultura escravocrata, 130 anos se passaram desde que a escravização de corpos negros deixou de ser legitimada legalmente. Até que essa estrutura se modifique, não vamos nos calar contra crimes que diariamente nos matam e nos silenciam.

Exigimos comprometimento da PUC-Rio e da Atlética de Direito com a aplicação de uma educação antirracista! Exigimos mudanças estruturais e curriculares em todos os cursos de graduação! Exigimos a contratação de professores negros! Nos recusamos a ocupar as posições subalternas que sempre nos deram. Omitir atitudes que combatam o racismo institucional em nossa sociedade não é apenas ser conivente com as estruturas desiguais de poder que se mantém há séculos por aqui. É permanecer com as mãos sujas de sangue das cotidianas mortes de negros e negras submetidos ao sistema opressor desse país.

POVO PRETO UNIDO, POVO PRETO FORTE.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas