Morar está mais caro:
Enquanto os preços das locações disparam e milhares perdem seus empregos, o governo também sabota o programa Minha Casa Minha Vida. Em plena pandemia os despejos são iminentes
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
22050650341_ecf9eec04e_o (1)
Condomínio do Minha Casa Minha Vida em Feira de Santana (BA) | Foto: Naiara Costa

A Fundação Getúlio Vargas (FGV) divulgou que o Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M), mecanismo utilizado no reajuste de contratos de aluguel no país, acumulou no mês de junho, ao fechar o primeiro semestre de 2020, uma taxa inflacionária de 4,39% e de 7,31% nos últimos 12 meses.

Apenas em junho foi registrada uma taxa de inflação de 1,56%, sendo muito superior aos 0,28% do mês anterior. Esta alta da taxa foi impulsionada pelo Índice de Preços ao Produtor Amplo, mecanismo que mede o comportamento do atacado. A inflação desse índice secundário subiu de 0,59% em maio para 2,25% em junho.

Já a inflação do Índice Nacional de Custo da Construção, outro índice secundário do IGP-M, também apresentara crescimento: saindo dos 0,21% em maio para 0,32% em junho.

O Índice de Preços ao Consumidor, por sua vez, um índice secundário utilizado para medir o comportamento do varejo, que apresentou uma deflação (queda nos preços) de 0,60% em maio, teve uma inflação de 0,04% neste mês de junho.

O comportamento destes índices apenas comprova que a política dos golpistas para a questão da moradia no país é completamente omissa e em última instância algo sem importância.

Enquanto os alugueis sobem indiscriminadamente e a esmagadora maioria da população cai em desalento e fica desempregada a possibilidade de despejos por decisão judicial aumentam consideravelmente.

Até mesmo o único programa habitacional até então existente, o Minha Casa Minha Vida (MCMV) já sofre com o esvaziamento orçamentário promovido pelo ministro neoliberal da Economia Paulo Guedes e a diretoria da Caixa Econômica Federal.

Inúmeros projetos de lei (PLs) sobre o programa tramitam no cemitério das lutas e reivindicações populares, o Congresso Nacional, mas nem sequer estão na pauta de votação.

Até mesmo as negociações entre os ministérios e a Caixa estão paradas para tentar reduzir os juros do programa para as outras faixas de renda, que se situam entre 5% e 7% ao ano, em um cenário no qual a taxa básica da economia, a Selic, está em 2,25% anuais.

Uma marca dos governos socialdemocratas petistas, o MCMV estava para ganhar outro nome e sofrer alterações, que foram postergadas em virtude desse embate entre Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) e a Caixa Econômica Federal sobre os juros.

O senador Rogério Carvalho (PT-SE), autor de um dos PLs sobre o tema, explica que o governo permitiu a postergação de pagamentos nos contratos do MCMV, à exceção da Faixa 1 (famílias com renda de até R$ 1.800,00).

“Isso porque este governo tem a filosofia de que tudo que dá tem de tirar. No caso da Faixa 1, financiada com recursos do Tesouro Nacional, a alegação é de que, como os beneficiários recebem abono salarial e auxílios, não precisariam da suspensão do pagamento”, critica.

O político propõe a suspensão do pagamento por quatro meses para todas as faixas e pedirá que o projeto seja pautado nesta semana. O parlamentar recorda que o déficit habitacional do país ronda 6 milhões de moradias, uma estimativa inclusive baixíssima considerando o número de trabalhadores que moram em condições insalubres nas favelas e periferias. “Não dá para permitir risco de despejo. Além disso, o governo deu uma esvaziada no programa (MCMV)”, lamentou.

É preciso, portanto uma mobilização ativa na esquerda nacional que impeça os despejos e as operações de reintegração de posse, medidas arbitrárias e repressivas que inclusive vão contra a recomendação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que pede cautela aos juízes burgueses ao julgarem ações de despejo durante a pandemia já prevendo uma onda de revolta popular caso estas medidas tenham continuidade no atual cenário. A palavra de ordem que aglutina todas estas reivindicações só pode passar pelo Fora Bolsonaro e todos os Golpistas!

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas