A poderosa Alemanha vai à lona
Apesar da propaganda burguesa da Alemanha como melhor do mundo, a realidade objetiva demonstra a artificialidade que representa a intervenção capitalista no futebol
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
90536165_spain's-midfielder-mikel-oyarzabal-cr-celebrates-after-scoring-his-team's-sixth-goal-du
A derrota histórica da Espanha coloca um fim na história da supremacia alemã | Reprodução

A super seleção da Alemanha nem parece tão poderosa agora, a propaganda não correspondeu a realidade. No dia 17 de novembro a Espanha meteu um verdadeiro chocolate, como se diz no popular, pra cima da seleção alemã. Um daqueles jogos conhecidos como “vira 3, acaba 6”. A Alemanha perdeu de 6 a 0, um resultado que demoliu o mito criado a partir do 7 a 1 sobre o Brasil. O maior esporte de massas do mundo não escapa da luta de classes, a seleção brasileira mesmo sendo a maior vitoriosa dos últimos e de todos os tempos não escapa à perseguição do imperialismo. 

A vitória da Espanha por 6×0 é um verdadeiro atestado de óbito da suposta super seleção da Alemanha. A propaganda do futebol alemão tinha como objetivo enfraquecer o maior futebol do mundo, uma disputa entre o imperialismo europeu e um país atrasado da América Latina. Não há como sustentar esse posto de maior futebol para Alemanha. A vitória da Espanha também não confere a ela nenhuma posição de destaque, seu retrospecto com a Alemanha também não é positivo e sua grande conquista no futebol foi a Copa de 2010 num estilo de jogo retranqueiro. 

A imprensa imperialista busca criar a cada Copa do Mundo uma nova melhor seleção e rebaixar o futebol brasileiro, maior do planeta. Assim foi com a França de Zidane, campeã de 1998, que teve seus piores resultados nos anos seguintes, voltou a conquistar uma Copa com ajuda do VAR no bi 2018. O mesmo com a Espanha, campeã de 2010, que também não teve grande desempenho posterior. E com Alemanha, campeã de 2014, como após estes recentes anos passados fica demonstrado de maneira acabada. 

É importante compreender os objetivos da imprensa burguesa com as tentativas de inferiorizar nosso futebol e o impacto dessa propaganda sobre a população brasileira.  A Copa do Mundo de 2014 no Brasil aconteceu em meio a campanha do imperialismo contra a realização do evento neste país e uma luta política importante que terminou com o golpe de estado em Dilma.

A esquerda pequeno-burguesa, que abraçou ambas sem entender o conteúdo político dessas campanhas, que não compreende a falsificação entorno dos resultados dos jogos e das competições, que sequer interpreta a luta política sobre o futebol e os interesses econômicos de classe envolvidos, pratica como política a moralização do futebol julgando quais jogadores podem ser destaques ou não (ao maior estilo Sergio Camargo, presidente racista da Fundações Palmares que pretende moralizar a lista de personalidades negras). Por outro lado, consideram o futebol (o ópio) como responsável da alienação de todo o povo, e este, por “ficar atrás” de futebol, responsável por sua própria alienação, portanto, pela situação de crise no país.

A seleção brasileira se tornou a maior do mundo nas Copas que Pelé liderou a revolução mundial do futebol. A conquista da Copa do mundo 1970 foi um marco muito importante na história, os operários de um país atrasado conseguiram superar o poder econômico e vencer o imperialismo. Somente depois de vinte anos, a Alemanha conquistaria sua terceira Copa (1990), empatando assim com a brasileira em número de conquistas. Mas na Copa doMundo seguinte (1994), o Brasil do baixinho Romário desempatou na conquista do tetra. Em 2002, o Brasil do fenômeno Ronaldo conquistou o penta em cima da Alemanha e liquidou qualquer comparação entre o futebol europeu e o futebol arte. 

O Brasil havia ganhado a quarta Copas das Confederações no ano anterior a Copa de 2014, conquistou a taça que faltava na coleção do maior futebol do mundo com o menino Neymar (Olimpíadas de 2016) e também a Copa América de 2019. O resultado dos 7×1 nunca representou a morte do futebol brasileiro como quiseram parecer, a Alemanha nunca havia tido resultado tão expressivo contra o Brasil, muito pelo contrário as goleadas eram todas brasileiras sem contar o penta.

Nos anos seguintes, o Brasil foi campeão das Olimpíadas de 2016 em cima da Alemanha e também ganhou um amistoso da mesma em 2018. Diante do retrospecto positivo dos jogos e da história, a seleção do Brasil será a grande seleção a ser enfrentada tanto nas Olimpíadas do próximo ano de 2021, quanto na Copa do Mundo de 2022. Mesmo com toda perseguição a Neymar, maior jogador do mundo, e ao futebol brasileiro de conjunto, o Brasil segue sendo o país do futebol.   

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas