Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
alckmin-bolso
|

No último domingo (23) foi lançado um manifesto intitulado Pela Democracia, pelo Brasil (ou DemocraciaSim), assinado por “artistas, advogados, ativistas e empresários”, contra a candidatura à Presidência da República de Jair Bolsonaro (PSL) e Hamilton Mourão (PRTB). O movimento surgiu na esteira daquele iniciado pelas Mulheres unidas contra Bolsonaro no Facebook, com 3 milhões de participantes – o responsável pelas as hashtags #EleNão / #EleNunca, que foi amplamente alavancado pela imprensa golpista brasileira e internacional. Principal órgão de divulgação do pensamento neoliberal, a revista inglesa The Economist chegou a lançar uma edição em que estampava em sua capa uma foto de Bolsonaro com a manchete: Bolsonaro presidente: a última ameaça da América Latina. Personalidades como a apresentadora direitista Raquel Sheherazade, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e o ex-presidente dos Estados Unidos Bill Clinton também se manifestaram contra a candidatura dos militares.

A defesa é da “Democracia”, como se esta fosse um valor abstrato, como se não fosse fruto de uma contínua luta dos trabalhadores por direitos mínimos frente ao poder do imperialismo e das burguesias nacionais. Tal premissa, cultivada tanto pela classe dominante quanto por amplos campos da própria esquerda, nada mais faz que escamotear a luta diária de vida ou morte entre as classes sociais pelo poder. Numa fantasia idealista, acreditam que as eleições burguesas equivaleriam a participação popular. O voto na urna, forjado por campanhas publicitárias milionárias e por currais eleitorais que concedem favores paroquiais, se sobreporia como valor à organização da classe trabalhadora e à elevação de sua consciência.

Cinicamente, apoiadores do golpe de Estado que financiaram e promoveram o impeachment ilegal de Dilma Rousseff em 2016 e a prisão de Lula em 2018 se dizem a favor da suposta “democracia”. Não é diferente no caso do movimento DemocraciaSim.

Seus organizadores são justamente os barões do rentismo, os financiadores do golpe em curso no Brasil, como a banqueira Neca Setúbal – da família dona do Banco Itaú – ou José Marcelo Zacchi, Secretário-Geral do Grupo de Institutos Fundações e Empresas (Gife), e parceiro da Fundação Lemann (do banqueiro Jorge Paulo Lemann). Após afundarem o país no governo de Michel Temer (MDB), após alimentarem o crescimento do fascismo no Brasil por meio de grupos como o Movimento Brasil Livre (MBL) e congêneres, agora se voltam contra uma de seus cães de guarda afirmando prezar “a democracia. A democracia que provê abertura, inclusão e prosperidade aos povos que a cultivam com solidez no mundo. Que nos trouxe nos últimos 30 anos a estabilidade econômica, o início da superação de desigualdades históricas e a expansão sem precedentes da cidadania entre nós”.

Evidentemente, não se pode atribuir a esse movimento senão um propósito golpista. No caso específico, pela intensidade e pelo momento eleitoral em que ocorreu, parece claro que o objetivo é alavancar as candidaturas dos verdadeiros direitistas, das candidaturas de confiança do imperialismo, como a de Geraldo Alckmin (PSDB), Ciro Gomes (PDT), Marina Silva (Rede) – ainda por serem devidamente apoiados pelos minoritários Álvaro Dias (Podemos), João Amoedo (Novo/Itaú) ou mesmo Henrique Meirelles (MDB). O movimento é claramente DireitaSim e, mais ainda, AlckminSim.

O eleitorado de Bolsonaro é composto pelos grupos mais acentuadamente antipetistas, a um nível quase macartista. Eles jamais votarão em Fernando Haddad (PT) e sua vice Manuela D’Ávila (PCdoB). O que se objetiva é capturar os votos de indecisos e nulos por um lado (18%), e os votos de bolsonaristas (28%), pelo “voto útil” contra o Partido dos Trabalhadores, e não contra o fascismo. O discurso “pela Democracia” é na verdade contra a polarização entre Haddad e Bolsonaro no segundo turno, servindo ainda à alavancagem da candidatura de Ciro Gomes, que ganharia mais potencial para dividir os votos do PT.

Os golpistas tiraram uma presidenta legitimamente eleita do poder; prenderam Luiz Inácio Lula da Silva; lançaram o mais feroz ataque à classe trabalhadora em décadas, com extinção de direitos trabalhistas; entregam irrestritamente o patrimônio nacional ao estrangeiro; destroem os programas sociais, a saúde e a educação públicas; desmontam a máquina estatal. Mas isso é apenas o início do plano de terra arrasada do imperialismo para toda América Latina. Eles só conseguirão aprofundar esses ataques por meio de uma eleição fraudulenta que legitime o governo golpista.

Os golpistas têm controle dos Três Poderes da República – com direito a generais tutelando as autoridades –, dominam a imprensa, as rádios e a televisão. A burguesia domina plenamente o jogo eleitoral, e qualquer movimento com sua franca participação é movido pela luta de classes, e não por valores abstratos como “a Democracia”. Qualquer movimento comandado pela burguesia serve exclusivamente a esses propósitos – assim como a chamada “luta contra a corrupção”. O fascismo – tanto o de Bolsonaro quanto do MBL – é um movimento de ação, e deve ser combatido pela ação concreta de autodefesa dos trabalhadores. O golpe se combate mobilizando e organizando a população, pela mudança real na relação de forças, e não por acordos eleitorais. Não cabe portanto apoiar nesse momento a campanha publicitária “antibolsonarista”: ela é falsa, eleitoreira e direitista. Nenhuma unidade com a direita. Eleição sem Lula é fraude.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas