Alckmin quer falir os sindicatos: “imposto sindical, esquece”

alckmin

Da redação – Pré-candidato à Presidência da República, o golpista Geraldo Alckmin (PSDB) se posicionou mais uma vez contra o imposto sindical, negou que tenha concordado com a volta do imposto e se reuniu com outros golpistas para debater a cartilha neoliberal dos donos do golpe no avanço contra as leis trabalhistas e nas privatizações.

“Não há hipótese de voltar o imposto sindical. Imposto sindical, esquece”, disse o tucano. “Os trabalhadores é que vão se organizar. Se vai ter ou não contribuição, é uma questão dos trabalhadores”, completou com seu típico cinismo de servo do imperialismo.

Alckmin se reuniu no último final de semana com o golpista, Paulinho da Força, e com outros dirigentes dos sindicatos e centrais sindicais patronais, para discutir propostas que deem continuidade ao plano de destruição total das organizações operárias. É esse o plano dos golpistas, enfraquecer as organizações de trabalhadores com multas, com cortes de conquistas históricas através da justiça burguesa e etc.

A contribuição sindical era prevista por lei, na CLT, exatamente por ter sido conquistada com muita luta da classe operária organizada e não só no Brasil. Essas declarações demonstram como a direita consegue mentir na cara do trabalhador, gravado ou ao vivo, e sem vergonha nenhuma na cara, como se os trabalhadores não tivessem conquistado tudo que gozam hoje e os golpistas não tivessem em dois anos – após o golpe sobre Dilma Rousseff – rasgado 100 anos de luta.