Alckmin, maior privatizador de rodovias, é acusado de receber propina de concessionária

Governador

Acusado de receber R$ 5 milhões de caixa dois em campanhas eleitorais, o pré-candidato à Presidência da República pelo PSDB, Geraldo Alckimin, chamou as acusações feitas contra ele de “absurdas” e se diz convencido de que é o candidato mais “íntegro” que existe.

Candidato de um dos partidos menos investigados do Brasil, Alckmin foi acusado por representantes da Companhia de Concessões Rodoviárias (CCR) de praticar caixa dois e não prestar contas de valores recebidos em campanhas, por meio de transações intermediadas por seu cunhado, o empresário Adhemar César Ribeiro, também envolvido em esquemas milionários com a construtora Odebrecht.

Importante destacar que a marca registrada dos governos tucanos no Estado de São Paulo são justamente as privatizações de inúmeras rodovias, e a CCR, como a maior concessionária de estradas do País, detém a concessão de rodovias paulistas bastante lucrativas, como o complexo Anhanguera-Bandeirantes e trechos da rodovia Castello Branco e da Raposo Tavares, o que demonstra a importância da empresa em manter seus negócios no estado e estreitar relações com os governadores.