Aguardando para ser o próximo, Boulos comemora censura contra a direita

boulos o candidato

O candidato do PSOl à presidência da República, Guilherme Boulos, comemorou a censura do Facebook contra 196 contas e perfis ligados à direita, especialmente o MBL.

O candidato do PSOl afirmou o seguinte em seu perfil no Twitter, nessa segunda-feira: “O Facebook finalmente desativou 196 páginas e 87 contas ligadas à rede criminosa de calúnias e fakenews que atende pelo nome de MBL. Agora é preciso investigar quem financiou e financia essa turma.”

Assim, mais uma vez, o “esquerdista” Boulos e o partido socialista com liberdade, o PSOL, embarcam de cabeça na política reacionária da direita golpista. Mais precisamente, é mais um episódio da completa adaptação da esquerda pequeno-burguesa à política imperialista.

As chamadas fakenews não é nada mais do que uma ideologia criada pelo imperialismo para atacar a imprensa alternativa e proteger os grandes monopólios da imprensa golpista. A esquerda pequeno-burguesa cai na armadilha da direita novamente e aplaude a decisão de censurar o MBL. Como a maioria das campanha da direita, elas sempre começam com uma boa justificativa moral, que serve para pegar os trouxas como é o caso de esquerdistas pequeno-burgueses como Boulos.

É moralmente confortável comemorar que os fascistas do MBL sejam punidos e acusados de Fakenews, assim como era moralmente justificável, segundo a direita, passar por cima de direitos e prender políticos por “corrupção”. Deu no que deu.

Agora é preciso saber duas coisas: quem irá cassar as páginas e os jornais da burguesia, como a revista Veja, o Estadão, a Folha de S. Paulo e a rede Globo, os maiores produtores de “fakenews” do País, que poderiam ser chamados de o “cartel das notícias falsas. Outra dúvida que fica é que, agora que a direita foi cassada, o que vai impedir o Facebook de cassar também as páginas da esquerda, basta acusa-las de “fakenews”, coisa que a direita já faz.