Internacional
Medidas de desregulamentação do setor agrícola, como o fim das garantias de vendas para a FCO, levaram agricultores às ruas no segundo dia de protestos por toda a Índia.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
GettyImages-801506652 (1)
Narandra Modi é aliado do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. | NICHOLAS KAMM | Crédito: AFP.

Nesta sexta-feira (25), ocorreu o segundo dia de protestos promovidos pelos agricultores indianos contra propostas de lei enviadas por Modi ao Parlamento. Eles bloquearam estradas ruais e ferrovias em todo o país. As três propostas do governo visam desregulamentar o comércio de commodities agrícolas.

Os agricultores alegam que as medidas vão deixá-los à mercê do agronegócio corporativo, isto é, das grandes empresas de exportação agrícola. O governo aproveita-se da pandemia para levar adiante medidas de ataque aos agricultores indianos, dizem eles.

Atualmente, produtores agrícolas têm uma segurança mínima em suas vendas, pois a empresa estatal Food Corporation of Índia (FCO) é obrigada por lei a comprar uma cota mínima da produção a preços estabelecidos pelo governo. Um retorno mínimo é garantido. Os estados de Punjab e Haryana são os principais produtores de grãos do país.

As medidas de Modi removem o papel da FCO e  permitem que os agricultores fiquem vulneráveis às pressões e interesses das poderosas empresas agrícolas internacionais. O capital financeiro e os bancos apoiam as medidas de Modi que, segundo eles, promovem o livre mercado.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas