Agressões em Curitiba mostram que eleições vão acontecer debaixo de violência da direita

acampamneto

Na noite do último dia 17, os militantes pela liberdade de Lula, que estavam se deslocando para o novo local do acampamento contra o golpe em Curitiba, foram atacados por milícias fascistas, que traziam consigo barras de ferro. Segundo o presidente do PT do Paraná, Dr. Rosinha, as autoridades paranaenses haviam garantido que fariam a segurança das pessoas durante mudança do local de acampamento.

Esse acontecimento comprova, mais uma vez, duas questões importantes para ser compreendidas na luta contra o golpe. A primeira é que a direita, que precisa impor uma grande derrota aos trabalhadores para conseguir levar adiante o pacote de atrocidades do imperialismo, está disposta a qualquer coisa para manter o controle do Regime Político. Isto é, se for possível derrubar a presidenta da República por meio das “instituições”, a direita assim fará, como o fez em 2016. Se, por outro lado, a única forma de desmobilizar os trabalhadores for por meio da força, a direita também fará, como no caso dos ataques à caravana do ex-presidente Lula.

Diante do impasse em que se encontra o imperialismo, que não conseguiu ainda aprovar a Reforma da Previdência, que precisou lançar mão de um golpe militar virtual para vencer uma votação no STF e que não tem nenhum candidato capaz de vencer, nas eleições que ocorrerão em outubro, uma pessoas que está presa, é de se esperar que atentados como estes sejam cada vez mais frequentes e intensos.

Uma segunda lição importante é de que as “autoridades”, isto é, o Judiciário e a polícia, nada farão para garantir a segurança dos trabalhadores. Ambos são integrantes do regime controlado pelos golpistas, e apenas trabalharão no sentido de cumprir as tarefas que o imperialismo determinar. Por isso, a única saída para fazer a extrema-direita recuar é a organização dos trabalhadores.

As eleições deste ano, caso ocorram, serão uma arena de combate entre uma população ferida, revoltada contra o governo golpista, e a direita sanguinária, que possui capangas em todo o Brasil para intimidar os trabalhadores. Mais do que nunca, a mobilização de todos os setores democráticos e dos trabalhadores é fundamental para garantir que a fraude que está sendo preparada para as eleições não permita o aprofundamento do golpe.