Cerco imperialista
O país governado por Nicolás Maduro segue vítima de ataques e agressões do imperialismo e seus fantoches
1280px-President_Donald_J._Trump_at_the_United_Nations_General_Assembly_(31038852268)
Iván Duque é usado por Trump para desestabilizar e atacar a Venezuela | Foto: Casa Branca/ Domínio Público
O saque do consulado da Venezuela em Bogotá e as ameaças do secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, contra o presidente constitucional, Nicolás Maduro, marcaram o panorama da nação sul-americana nesta semana.

 

Na passada segunda-feira o Governo da Venezuela denunciou ante a comunidade internacional o saque e vandalização de que foi objeto sua sede consular em Bogotá, Colômbia.

Em um comunicado oficial a chancelaria deste país assinalou que ‘o Governo colombiano incorre em flagrante violação dos artigos 22 e 25 da Convenção de Viena sobre Relações Diplomáticas, ao permitir, por ação ou omissão, a ocupação ilegal de nossa sede consular em Bogotá’.

Depois da denúncia o Governo bolivariano dimensionou que Colômbia seria responsável pela perda ou violação dos bens, arquivos e documentos, conforme o estabelecido no artigo 24 da Convenção de Viena.

No entanto três dias após fazer-se público o fato, o ministro das Relações Exteriores, Jorge Arreaza, informou que a chancelaria colombiana continuava sem responder a nota verbal de denúncia apresentada pela Venezuela.

Arreaza ratificou ademais que seu país elevará ante o secretário geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, a denúncia sobre os recentes atos de vandalismo e saque contra seu consulado.

‘Uma vez mais agride-se a Venezuela por ação ou omissão, o Estado colombiano viola de maneira flagrante a Convenção de Viena, descumprindo os artigos 22 e 45 deste pacto entre as nações’, assegurou.

No entanto, desde Washington as ameaças continuam subindo de tom, no ponto que o secretário de Estado assegurou em uma audiência da Comissão de Relações Exteriores do Senado, que a administração de Donald Trump não está disposta a dialogar com a Venezuela a não ser a saída de Maduro do poder.

A respeito o chefe da diplomacia venezuelana pontuou, ‘parece que o secretário Pompeo vive um pouco desligado da realidade. Não se deu conta que os que devem ir preparando sua partida do governo desse país e planificando uma transição, são precisamente ele e seu chefe, Trump’.

No meio de todas essas pressões estrangeiras a nação sul-americana adota todas as medidas necessárias para conter a propagação da Covid-19, cujo número de contágios aumentou exponencialmente nas últimas semanas, chegando à cifra total de 18.574 casos.

Relacionadas