Mudança de Ministério
A atribuição de realizar concessões de parques e florestas nacionais foi repassada para o Ministério da Agricultura. O latifúndio avança para tomar as terras públicas do país.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
6842107069_fe0a1a4412_b
A Floresta Nacional de Humaitá (AM) está em avançado processo de privatização. Foto: Nelson Wendel. |

Segundo decreto publicado no Diário Oficial  na quarta-feira (14), o Ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles repassou para o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento a atribuição de decidir pela concessão de florestas nacionais.

Desde que tomou posse de forma fraudulenta em janeiro de 2019, Bolsonaro repassou ao Ministério da Agricultura a gestão das Florestas Nacionais. O problema é que este Ministério é diretamente controlado pela bancada ruralista e atua em favor da garantia dos interesses do latifúndio exportador.

Até a publicação do decreto, o Ministério do Meio Ambiente ainda tinha que ser consultado sobre os pedidos de concessão de extração sustentável de madeira nas florestas, parques e unidades de conservação ambiental. Agora, a competência para isto passa a ser também do Ministério da Agricultura.

O latifúndio organizado no Ministério da Agricultura será responsável pelos critérios de definição das áreas de concessão florestal, as licitações, a escolha dos selecionados e a definição dos termos do contrato. A política ambiental de Bolsonaro procura acelerar as Parcerias Público-Privadas que têm por objetivo a concessão de parques e florestas nacionais, o que resultou na inclusão destes no Programa de Parcerias e Investimentos (PPI).

Em fevereiro de 2020, três florestas nacionais (Humaitá, Iquiri e Castanho) localizadas no Estado do Amazonas foram incluídas no PPI para a concessão de exploração sustentável de madeira.

O latifúndio, um dos pilares de sustentação do governo Bolsonaro, se articula por dentro órgãos governamentais e avança para a tomada das terras públicas em todo o território nacional. A privatização dos parques, reservas, florestas e unidades de conservação responde aos seus interesses de ampliar suas propriedades e colocar a terra a serviço da acúmulo de capital.

As Terras Indígenas, Quilombolas e as terras destinadas à Reforma Agrária também estão na mira. Para que seja possível avançar sobre elas, o latifúndio e seus pistoleiros promovem a perseguição e o assassinato das lideranças indígenas, quilombolas e sem-terra. São registrados centenas de assassinatos no campo desde que Bolsonaro assumiu o governo.

Os altos índices de desmatamento são outra face do governo Bolsonaro. O presidente fascista admitiu ter estimulado o “Dia do Fogo”, evento que ganhou repercussão com as queimadas na floresta Amazônica promovidas pelos latifundiários. Os mecanismo de proteção e fiscalização ambiental passam por um processo de desmonte, de forma a garantir a impunidade para os proprietários de terras.

O Ministro Ricardo Salles já procurou modificar a legislação ambiental para contemplar os interesses das mineradoras.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas