Luta do povo é nas ruas
Com o impeachment protocolado, o conjunto da esquerda precisa levar a luta pelo fim do regime de terror comandado por Bolsonaro às ruas
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Fora-Bols
Protesto em Brasília. Povo mostra que é possível protestar e se proteger. Foto: Arquivo/DCO |

Os partidos de esquerda protocolaram um pedido coletivo de impeachment do presidente, o golpista Jair Bolsonaro, apresentado na manhã da última quinta-feira, 21 de maio, na Câmara dos Deputados. O documento é assinado pelo PCO, PT, PSOL, PcdoB, PSTU, PCB e UP, além de um número superior a 400 organizações, entre sindicatos, associações do movimento popular e personalidades que apoiam o fim do regime de terror promovido por Bolsonaro.

Eleito mediante o mais fraudulento processo eleitoral de nossa história recente, que, entre outros feitos, impediu a candidatura do favorito na disputa com amplo apoio popular: o ex-presidente Lula. À entrega do pedido, seguiu-se uma pequena manifestação em frente à praça dos Três Poderes com os representantes defendendo a impossibilidade de o país continuar sob o comando do fascista, cuja política se fundamenta nos interesses do imperialismo, frontalmente contrários a qualquer benefício popular, o que vem provocando um genocídio por coronavírus e também pela explosão da fome no país.

Esses fatores dão à derrubada do golpista um caráter de urgência, o que implica a necessidade de a esquerda intervir de maneira mais incisiva na luta política.

A burguesia já deixou claro que não tem interesse em nada além de colocar Bolsonaro na linha, e não há razão para esperar que esse pedido protocolado hoje tenha um destino diferente dos mais de 30 amontoados sob a mesa de Rodrigo Maia, um dos mais destacados serviçais dos capitalistas no cenário político brasileiro.

É preciso uma pressão política intensa para que a esquerda consiga eliminar a ameaça mortal que Bolsonaro representa à classe trabalhadora. Isso só será possível com a mobilização das massas, ocupando as ruas do país e manifestando coletivamente sua indignação.

Diversas mobilizações, ocorridas no Brasil e no mundo, demonstram de maneira muito concreta que organizar protestos nas ruas passa por situações diferentes do normal, no entanto, mas facilmente contornáveis.  É hora de a esquerda reafirmar seu compromisso com a população, começando pela mobilização de suas próprias bases para este trabalho. Unidade com o povo, por Fora Bolsonaro.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas