Imperialismo
Diplomata norte-coreano denunciou que a AIEA é uma ferramenta política dos países imperialistas e atua para impedir os países oprimidos de desenvolver armas nucleares
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
coreia
Em desfile militar, a Coreia do Norte exibe um míssil balístico intercontinental. | Foto: Reprodução

O governo da Coréia do Norte denunciou a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) como uma organização “títere de forças hostis” e submissa aos interesses dos países ocidentais.

Nesta quarta-feira (12), Kim Song, diplomata da Coréia do Norte, proferiu um discurso em sessão da Assembleia-Geral das Nações Unidas onde rechaçou o posicionamento do diretor da AIEA que censura seu país por causa das atividades nucleares, classificando-as como “profundamente lamentáveis” e “uma clara violação” às resoluções do Conselho de Segurança da ONU.

Song disse que a AIEA não passa de uma ferramenta política a serviço dos países imperialistas e que Pyongyang não cooperará com esta agência até que ela não analise a questão nuclear norte-coreana com “imparcialidade e objetividade”.

O país asiático suspendeu sua colaboração com a AIEA em 2009. Os inspetores que vigiavam o complexo nuclear  de Yongbyon, localizado no noroeste do país, tiveram que se retirar. Neste mesmo ano, todas as negociações sobre a desnuclearização da península coreana foram paralisadas, pois os países imperialistas se negaram a retirar as sanções contra a Coréia do Norte.

Atualmente, Pyongyang enfrenta sanções econômicas impostas pelos Estados Unidos e pela ONU. Os países imperialistas dizem que as sanções objetivam a paralisação das atividades nucleares. Um informe publicado pelo Instituto de Estudos Estratégicos Nacionais, ligado à Universidade de Defesa Nacional dos Estados Unidos, estima que os norte-coreanos possuam 60 ogivas nucleares e cerca de 650 mísseis balísticos.

A AIEA se posiciona contra as atividades nucleares da Coréia do Norte, mas mantém o silêncio sobre as armas nucleares de Israel e da Arábia Saudita, países com governos controlados pelo imperialismo. As denúncias contra a Coréia fazem parte de uma campanha cínica e hipócrita para impedir um país pequeno de desenvolver os meios indispensáveis para sua defesa nacional diante das ameaças constantes de inimigos muito mais poderosos, tanto econômica quanto militarmente.

É preciso defender o direito democrático dos países oprimidos de desenvolver armas nucleares. Todos os países imperialistas possuem grandes arsenais atômicos, químicos e biológicos, além de poderosas forças armadas. Na ótica dos países oprimidos, as nucleares servem como um elemento de equilíbrio, de dissuasão em relação a qualquer tentativa de agressão estrangeira. O Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares (TNP), propagandeado como uma conquista, é uma farsa, pois não obriga os países imperialistas a destruir seus arsenais e impede os demais países de desenvolver armas nucleares. O país que detém os maiores arsenais são os Estados Unidos.

As declarações do diretor da AIEA evidenciam que esta agência atua para proteger o monopólio do imperialismo e manter o status quo internacional, de domínio do mundo por um pequeno grupo de países.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas