Ataque patronal
A empresa se utiliza de todos os recursos para impor uma redução salarial permanente, ameaçando os trabalhadores de demissão
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
2019052112058_92e62635309b135c46b5975710080b94bd83bd03d3d15fd20d03689e19d8e47b
Mobilização aeroviários | Foto: Reprodução

A segunda maior empresa aérea no Brasil, Latam Airlines, planeja a demissão em massa de trabalhadores caso a categoria não aceite a proposta, ilegal, de redução salarial permanente.

As outras companhias, Azul, e Gol, com a crise da pandemia reduziram os salários dos seus funcionários enquanto duraram a pandemia, mas se a moda pega…

Em consulta aos trabalhadores, realizada pelo sindicato da categoria, SNA (Sindicato Nacional dos Aeronautas), 90% deles disseram um sonoro não à proposta da empresa para o próximo Acordo Coletivo de Trabalho (ACT), que prevê redução salarial de 60% nos vencimentos da categoria.

Enquanto fechávamos esta edição realizava-se uma assembleia dos trabalhadores, organizada pelo sindicato, para uma nova votação pela aceitação ou não um acordo coletivo com a redução dos salários, negociação essa que contará como mediador, nada menos que o direitista e algoz dos direitos dos trabalhadores, o TST (Tribunal Superior do Trabalho).

A empresa se utiliza de todos os recursos para impor uma redução salarial permanente quando ameaça os trabalhadores, se não for aceito o acordo nos seus termos, que irá jogar no olho da rua milhares de trabalhadores.

A Latam Airlines é uma das maiores empresas aéreas da América Latina, fruto da fusão da chilena LAN Airlines e a companhia aérea brasileira TAM Linhas Aéreas, que resulta no transporte de 60,3 milhões de passageiros por ano para 150 destinos, detém uma receita anual no valor de U$ 13,5 bilhões e uma frota de 310 aeronaves.

Pelos números apresentados é evidente que a decisão de reduzir salários ou mesmo de fechar postos de trabalho vai no sentido de reduzir custos da empresa e consequentemente aumentar a sua lucratividade em tempos de pandemia do coronavírus. Isto porque todo capitalista só tem um objetivo: lucro a todo o custo, nem que para isso sejam jogados na miséria milhares de trabalhadores e suas famílias.

Diante das ameaças dos patrões de redução salarial e demissão em massa, os trabalhadores devem rejeitar tais arbitrariedades e radicalizar o movimento com os seus próprios métodos de luta. As organizações de luta dos trabalhadores devem chamar imediatamente assembleias presenciais, com as devidas medidas de segurança sanitária, e organizar a greve.

Se a greve não resolver, ocupar a empresa até que as reivindicações dos trabalhadores sejam atendidas. Não é possível que milhares de trabalhadores e suas famílias tenham que se sacrificar para manter o lucro de um punhado de capitalistas sanguessugas, que vivem às turras através do suor alheio, ainda mais num momento crítico na qual a população está vivendo devido a crise da pandemia da COVID-19.

Nesse momento em que o governo golpista e toda a burguesia atacam a classe operaria brasileira é necessário recorrer aos métodos de luta da classe operária para frear os ataques da direita e da burguesia, bem como colocar a questão do controle operário e da luta pelo poder do Estado.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas