Adolescentes queimados vivos: a história que pouca gente ficou sabendo

latuff-goiás

No dia 25 de Maio deste ano, dez adolescentes, na Cidade Goiânia, foram assassinados com requinte de crueldade; foram queimados vivos. Seus algozes: o Estado capitalista e a Polícia Militar do Estado de Goiás, seguindo as diretrizes políticas da direita golpista. O caso ocorreu no Centro de Internação Provisória  (CIP), conhecido como Cadeião, que “atende” menores em conflito com a lei, e que está instalado ilegalmente dentro do 7° Batalhão da Polícia Militar do Estado de Goiás.

Na manhã da fatídica sexta-feira, o alojamento 1 que abrigava naquele momento dez jovens com idade entre 15 e 18 anos, pegou fogo. Os gritos desesperados dos adolescentes do alojamento incendiado ou dos outros alojamentos que clamavam por ajuda, não surtiram efeito. Ninguém ajudou, exceto alguns funcionário do CIP, porém sem sucesso, não havia nem mesmo extintores no local.

Após, os bombeiros controlarem o fogo, depararam-se com nove corpos carbonizados. Um dos jovens ainda estava vivo, com 70% do corpo queimado, Daniel Paulo de Souza, de 15 anos, foi levado ao hospital, na luta entre a vida e a morte teve um braço amputado, pereceu 20 dias depois, devido a problemas decorrentes da inalação da fumaça toxica.

O CIP é um verdadeiro inferno para os jovens, como os presídios brasileiros, as condições dos jovens eram e são completamente insalubres, indignas,  há inúmeros indício de que os jovens eram torturados, maltratados e humilhados. São submetidos a uma disciplina de prisioneiros militares, que em nada lembra um sistema de reeducação ou coisa que o valha, ao contrário é um sistema de desumanização e extermínio da população indesejada pela burguesia.

É evidente pela própria tragédia que o local, não era, nem mesmo minimamente adequado para atender dignamente alguém, ainda mais menores de idade em sistema de socioeducativo. Isso por que não se trará de tal sistema, mas de um verdadeiro campo de concentração, neste caso controlado diretamente pala Policia Militar. Toda imprensa capitalista; golpista manteve silencio sobre o caso, não porque tenham vergonha dos resultados de sua política, mas simplesmente não se importam.

Essa cena de horror não é, logicamente, acidental, mas parte de um Sistema Repressivo Nacional, que ganha maior vigor com o golpe de Estado, e cuja, as policiais militares são pedras angulares. A polícia Militar de Goiás, assim com a burguesia, são os verdadeiros responsáveis pela morte cruel dos jovens.