Intervenção da direita
A justiça do estado não pode interferir desta maneira nos processos eleitorais da UEPA, pois a universidade tem total autonomia para regular seus processos
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
up_ag_15088_32926186381_86b6a631cd_o
Campus da Universidade Estadual do Pará | Foto: Arquivo AG. Pará / Mácio Ferreira

A Universidade Estadual do Pará (UEPE) está sofrendo duros golpes da direita por todos os lados. No dia 18 de agosto, em grande assembleia pleiteada por docentes e discentes, foi deliberado o estado de greve unificada entre estudantes e professores na instituição. A greve denunciou a política da direita que foi recebida de portas abertas pela reitoria, que cedeu à pressão bolsonarista dos empresários.

Através do Ensino Remoto Emergencial (ERE), a direita excluía grande parte dos estudantes da universidade. Sem condições básicas para acompanhar o ensino à distância, os estudantes não participavam ou se viam forçados a abandonar o curso. A greve paralisou o processo fazendo enorme pressão no setor privado de educação do Pará, que se via exposta em seu absurdo.

Os setores privados da educação superior e básica no estado fizeram enorme pressão no governo Helder Zahluth Barbalho (MDB), para a liberação da volta às aulas a qualquer custo, tentando passar a impressão de que estava tudo normal e era possível negociar. Não é de espantar, visto que os patrões são capazes de colocar qualquer pessoa em risco para não parar de lucrar. A greve reivindicava a volta das aulas apenas sob o regime de vacinação da população, e o fim do sistema de ERE, um método de ensino à distância falido que, ao invés de facilitar, excluiu os estudantes.

No último dia 13, o 1º Juizado da Fazendo Pública de Belém, com o juiz Cláudio Hernandes da Silva, decretou que fossem realizadas novas eleições para reitoria na universidade anulando, assim, de pronta mão, a gestão 2017-21, do professor Rubens Cardoso.

A justiça do estado não pode interferir desta maneira nos processos eleitorais da UEPA, pois a universidade tem total autonomia para regular seus processos, governada pelo próprio estatuto da universidade, construída por seus membros. O que deu motivação a este ato autoritário de intervenção, aparentemente, foi um processo aberto por Antônio César Matias de Lima, professor que concorreu à reitoria com Rubens Cardoso. Antônio César alega que seu adversário não tinha o título de ‘doutor’ e, portanto, não estaria apto ao cargo.

O fato envolveu a justiça do estado de Belém que procurou intervir na UEPA, financiada pelo governo do MDB, aliado da direita. A coordenadora geral do Sinduepa, a professora Zaira Fonseca, declarou que o Sindicado não irá abrir mão da autonomia da Universidade, rejeitando completamente a decisão tomada pelo 1º Juizado. Ela ainda denunciou a tentativa autoritária de intervenção na autonomia universitária.

Diante da situação, assim como fizeram anteriormente, é preciso que a comunidade acadêmica, professores, estudantes e trabalhadores técnicos, denuncie a intervenção ditatorial da direita à UEPA financiada pelos golpistas do MDB. A tentativa de intervenção foi uma resposta clara ao movimento grevista organizado pelos estudantes e professores em agosto, que bateu de frente com a reitoria. A intervenção é uma manobra da direita para colocar a universidade pública à reboque da extrema-direita.

 

 

 

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas