Movimento operário
Os capitalistas utilizam-se da pandemia para proteger seu capital e atacar os trabalhadores, para o movimento operário e para a economia e vital reagir energicamente às demissões
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
20200915160518-img-6898
Assembléia dos Trabalhadores da Volkswagen em 15/09 | Foto: Divulgação/Sindicato dos Metalúrgicos do ABC

Na última terça-feira (15), em assembleia, os trabalhadores da Volkswagen, planta de São Bernardo do Campo, aprovaram proposta de acordo negociada entre o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC e a empresa. A Volkswagen havia anunciado, a cerca de um mês, que iria reduzir em 35% seu quadro efetivo de trabalhadores nas fábricas de quatro cidades (São Bernardo, São Carlos, São José dos Pinhais e Taubaté).

Após mais de três semanas de negociação, chegou-se a proposta agora aprovada em São Bernardo e que também será votada nas demais cidades na próxima semana. O acordo, extremamente defensivo, revela, além da defensiva do movimento operário, a política dos patrões; dos capitalistas, que tende a se aprofundar na medida em que a crise econômica se aprofunde: demissões em massa.

Consta no acordo a abertura de um PDV (Plano de Demissão Voluntária) para reduzir o efetivo da empresa, para horistas diretos e indiretos – 20 salários adicionais à tabela base (período de inscrição a ser definido). Aos que continuarem na empresa haverá estabilidade até 2025. Também fora aprovado a possibilidade de Lay off com redução salarial, dentre diversos outros ataques.

A reação da empresa expressa a política dos capitalistas, sobretudo do capital imperialista, diante do agravamento da deterioração da atividade econômica nacional, as demissões em massa são o recurso que utilizam para proteger seu capital com a baixa da atividade econômica. Essa política agrava ainda mais a situação econômica geral e as condições de vida do povo ao produzir um extraordinário índice de desemprego e subemprego, criando uma massa ainda maior de pobres e miseráveis ao mesmo tempo que faz cair o preço da mão de obra em geral pressionando os trabalhadores empregados a abrirem mão de seus ganhos e direitos.

Essa é uma atividade criminosa do imperialismo e da burguesia nacional, que leva a diminuição do parque industrial e a progressiva desindustrialização do país. Toda essa política nefasta, de impacto profundo, é feita com o aval e participação do governo brasileiro de Jair Bolsonaro, mostrando que é um representante do imperialismo e dos capitalistas.

A luta contra a desindustrialização, contra o desemprego e em defesa dos direitos conquistados é uma luta central da classe operária e do povo brasileiro, de importância decisiva para a integridade e desenvolvimento do país, a aceitação mesmo que parcial desta política levará a classe operária a uma retração profunda.

O movimento operário deve por questão de vida ou morte sair da defensiva e iniciar uma ampla campanha com greves e ocupações contra as demissões, pela redução da jornada de trabalho, contra o rebaixamento salarial, contra o fechamento das fábricas e contra o governo, capacho dos capitalistas e do imperialismo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas