Ditadura contra o povo
ACM Neto quer impor uma ditadura nos bairros pobres da cidade de Salvador sob a justificativa de combate ao coronavírus, mas todos sabem que é para evitar uma explosão social
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
neto_contencao
ACM Neto em coletiva de imprensa. imagem: reprodução. |

O prefeito da direita golpista de Salvador, Antônio Carlos Magalhães Neto está caminhando para impor uma verdadeira ditadura aberta contra a população negra e pobre da cidade. ACM Neto anunciou neste dia 22/05 que novos bairros de Salvador, capital da Bahia, terão medidas mais duras contra a circulação da população sob o argumento de conter o coronavírus.

A medida poderia enganar as pessoas mais ingênuas ou influenciadas pela propaganda da imprensa burguesa, mas quando observamos os bairros que estão sob essa política de “lockdown” disfarçado fica evidente que é uma perseguição contra a população pobre e trabalhadora. Os bairros que estão com medidas restritivas ou que já passaram por essa situação são todos bairros da periferia, pobres ou com grande comércio popular e informal. São eles, Bonfim, Cosme de Farias, Brotas, Liberdade, Lobato, Plataforma, Pituba, Boca do Rio e Avenida Joana Angélica.

Os bairros Bonfim, Cosme de Farias, Liberdade, Lobato, Boca do Rio e Plataforma são bairros da periferia extremamente pobres e com maioria esmagadora de negros. Sofrem constantemente com as ações violentas das forças de repressão do estado.

A Pituba e Brotas possuem bolsões de classe média, mas com grande população de pobres e Avenida Joana Angélica é no centro antigo da cidade com grande concentração do comércio informal que é o ganha pão de grande parte da população pobre de Salvador.

Essas medidas de restrição têm que ser denunciadas não como combate ao coronavírus, mas como repressão da população pobre e trabalhadora. Isso porque a burguesia sabe da possibilidade de um levante da população diante do aumento da pobreza em decorrência da crise econômica e sanitária agravada pela coronavírus. Um bom exemplo foi a Procuradoria de Direitos Humanos alertando o prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB) sobre o risco iminente de “graves distúrbios” na capital paulista em função do agravamento da pandemia da Covid-19 e colocando diversas medidas para evitar essa situação. Tanto é assim que não existe outra medida séria de controle e combate ao vírus como paralisação de todas as empresas, realização de testes em massa, distribuição de máscaras e álcool gel para a população, contratação de trabalhadores da saúde ou de ampliação da frota do transporte público.

A burguesia sabe que a periferia de Salvador é um barril de pólvora e que essa crise está para causar uma explosão social. Sabendo disso,  começa a ensaiar medidas ditatoriais contra o povo para depois aplicar o chamado “lockdown”, que nada mais é o Estado de Sítio da direita contra o povo. E não é por acaso que isso ocorre nos bairros pobres.

A esquerda não pode defender as medidas ditatoriais colocadas pela direita porque isso irá ser utilizado contra a população na medida que a crise se agrava e a população organiza manifestações contra demissões, cortes de salários, violência policial, fome e a falta de atendimento a saúde.

É preciso denunciar essas medidas e a preparação de um estado de sítio contra os trabalhadores.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas