Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
eletrobras_privatização
|

Da redação – Ontem (11), o presidente do TRT-1, desembargador Fernando Antonio Zorzenon da Silva, derrubou arbitrariamente a liminar de suspensão de 90 dias do processo de privatização da Eletrobras, impondo-se ilegalmente contra a a decisão prévia de manutenção da suspensão pela desembargadora Giselle Bondim Lopes Ribeiro, do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região (TRT-1).

“É uma carta em branco para o governo privatizar o setor elétrico, sem fundamentos jurídicos para tanto”, diz o advogado do caso, Felipe Vasconcellos.

Essa política é decorrente do programa golpista de Temer, o “Programa de Parceria do Investimento (PPI)”, que prevê a entrega golpista do controle da estatal e de subsidiárias locais que lideram a geração, transmissão e distribuição de energia elétrica no país.

Com isso, o processo de privatização segue. O eletricitários responderam a essa medida tirando uma greve de 72 horas apoiada por diversos setores da luta social e da causa operária.

Não é possível acreditar que burocracia, tramites e argumentos jurídicos serão a chave de salvação dos nossos direitos e das nossas estatais. Lula está preso injustamente, sem provas, sem motivos factuais, e com muitos motivos golpistas e políticos.

A Eletrobras está sendo entregue arbitrariamente as mãos de empresas estrangeiras. Apenas a mobilização geral do povo nas ruas pode conter e reverter essa lavagem de direitos e de bens da nação brasileira.

“A luta dos eletricitários é de todos os trabalhadores. Estamos num momento crucial para a classe trabalhadora. Ou varremos do mapa todos esses golpistas que querem entregar de mão beijada o Brasil aos investidores estrangeiros, ou voltarem ao fundo do poço, como uma nação desigual na qual só os ricos se dão bem e os trabalhadores penam pelo pão de cada dia. Os bancários caminharão juntos com todos as categorias que estiverem nessa luta pela soberania nacional.”, diz presidente da Contraf-CUT, Juvandia Moreira.

O entreguismo desenfreado já nem mais prentende esconder suas pretenções imperialistas. A Eletrobras indica que o sistema de geração elétrica cresceu 7% e as receitas de geração aumentaram em 13,4%. A empresa também comemorou a conclusão com dois meses de antecedência da maior linha de transmissão da América Latina com 2092 km de extensão, além do alcance de 95% da capacidade instalada de energia limpa. As usinas da Eletrobras vendem a energia elétrica mais barata do Brasil, porque conseguem produzir eletricidade de forma eficiente com custos baixíssimos e 87% de sua produção é à base de água. Enquanto a população paga em média R$0,68 por quilowatt/hora (KWh), as grandes empresas pagam R$ 0,07 por KWh.

Então, por que privatizar?

Com a privatização, a agência reguladora (Aneel) já reconheceu que esses preços serão revisados e aumentados pelo menos 30% em contratos que tendem a 30 anos de duração. Está marcado para a terça-feira 12, às 11h, em Brasília, um encontro dos eletricitários com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para discutir os projetos de privatização.

É discarada a finalidade: aumentar o lucro do imperialismo sobre a população brasileira.

Só uma greve geral pode conter a entrega de todos os setores fundamentais para a vida do trabalhador. Essa é uma causa de todo o povo brasileiro contra o imperialismo. 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas