Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
corte de boi - 26-03
|

O que vem ocorrendo no Brasil em relação ao número de acidentes é a demonstração do quanto os patrões deixam os trabalhadores sem as mínimas condições de trabalho. O número de acidentes e doenças ocupacionais atingiram cinco milhões de trabalhadores, um dos setores que lideram, de longe, os descasos dos patrões é o setor de frigoríficos.

Os frigoríficos respondem pelo segundo lugar na desgraça dos trabalhadores, os patrões também são os mais negligentes, tanto nas questões de fornecimento de equipamentos de proteção e segurança, quanto ao desrespeito às normas da Consolidação das Leis do trabalho (CLT), para atenuar a tragédia causada aos trabalhadores e seus familiares, quando se torna um inválido ou até mesmo falecimento, o que tem se tornado uma situação constante nas indústrias frigoríficas.

A situação é tão crítica, que em alguns estados os frigoríficos se destacam em primeiro lugar. Dentre eles estão o Mato Grosso (MT), e Mato Grosso do Sul (MS). No estado do Mato Grosso, por exemplo, os frigoríficos insistem em manter, há seis anos, o título de destruidor de seres humanos em suas fábricas.

Os frigoríficos contribuem com a maior parcela dos acidentes ocorridos, desde 2012. O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) registrou 10.363 acidentes, e estes dados podem estar subestimados, os números poderão ser bem maiores, uma vez que a maioria das informações refletem os dados do Instituto Nacional de Seguro Social (INSS) que aponta 750 mil notificações, no entanto a Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) demonstra que os dados referentes a acidentes e doenças ocupacionais chegam próximos à cinco milhões.

Um exemplo do resultado da ganância pelo lucro está a de uma trabalhadora de Cáceres, a 220 km de Cuiabá. De forma traumática, ela teve um aborto e um parto prematuro. Ela estava grávida e trabalhava num frigorífico naquele município. Por recomendação médica, ela precisava ser removida para uma atividade que não exigisse esforço físico. O conselho não foi acatado e dias depois ela sofreu um aborto.

Um ano depois, grávida novamente, ela passou por outra situação. Ao cair da escada quando trabalhava, foi levada às pressas para um hospital. O resultado foi um parto prematuro. A criança que nasceu, morreu horas depois.

Seguindo pelo mesmo caminho, os frigoríficos de Mato Grosso do Sul (MS), em 2017, também resolveram assumir a liderança em acidentes e doenças ocupacionais sendo: o grupo Marfrig, o grupo JBS/Friboi, e Aurora os carros chefes desse ranking.

É preciso por um freio às atitudes dos patrões, o que só poderá ocorrer com a organização dos trabalhadores junto aos sindicatos combativos e de luta, porque, do contrário, os patrões continuarão desfazendo dos trabalhadores da mesma forma que fazem com os animais abatidos (matéria prima) uma vez que os próprios patrões divulgaram que mais de 70% dos seus funcionários sofrem ou sofreram acidentes, doenças ocupacionais ou outros problemas de saúde, etc. envolvidos com o trabalho que exercem nas fábricas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas