Menu da Rede

Cuba Márcia Choueri

Organizar autodefesa

Acampamento Manoel Ribeiro (RO) é cercado pelo latifúndio

Golpe de 2016 intensificou repressão ao movimento camponês

Placa expressando a luta dos camponeses – Foto: Reprodução

No dia 13 de maio, 10 caminhonetes da polícia e um avião realizaram um novo cerco ao acampamento Manoel Ribeiro. Foi um cerco ilegal contra as famílias que vivem no acampamento para demovê-las de continuar a luta pela retomada completa das terras do latifúndio Santa Elina no município de Corumbiara-RO. Esse foi o palco do confronto armado entre camponeses contra pistoleiros e policiais militares em 9 Agosto de 1995, acontecimento conhecido como o massacre de Corumbiara.

No confronto foram mortos 9 camponeses entre os quais a menina Vanessa de 7 anos, 2 policiais militares é um número desconhecido de pistoleiros contratados por latifundiários da região chefiados por Antenor Duarte militar reformado. Após esse evento o latifúndio foi dividido em 4 fazendas e nos anos seguintes a Liga dos Camponeses Pobres (LCP) organizou as massas para retomar aquelas terras parte por parte e formaram o acampamento Manuel Ribeiro. Atualmente mais de 150 famílias vivem e trabalham nessas terras desde agosto de 2020.

Durante todo o dia do cerco, a imprensa burguesa de Rondônia e seus satélites têm feito um intenso trabalho de propaganda contra os camponeses, o acampamento e a favor dos latifundiários, narrando que os camponeses estavam efetuando troca de tiros com a polícia que praticavam furtos e matança de gado, tratando os como terroristas para justificar cerco é a repressão contra o acampamento.

Este ato é uma consequência da ofensiva contra o movimento camponês que se escalou desde golpe de estado de 2016 e que encontra apoio do atual presidente ilegítimo Jair Bolsonaro. No dia Primeiro de Maio o presidente fascista se reuniu com os latifundiários da associação brasileira de criadores de Zebu. Na situação, atacou luta dos camponeses e a LCP passando desde então a planejar com o governador do estado o coronel Marcos Rocha e seu secretário de segurança pública também coronel Hélio Pachá novas operações de despejo com o reforço da força nacional de segurança. Também dia 7 de maio em ato de inauguração da ponte sobre o rio madeira na divisa de Rondônia e Acre voltou a atacar a LCP acusando a de terrorismo e fez ameaças de repressão.

É preciso reagir a essa ofensiva. Os trabalhadores do campo e movimentos de luta pela Terra precisam se organizar como medida absolutamente urgente em comitês de autodefesa para se contrapor às investidas agressivas e brutais da extrema direita no campo.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores
O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.