Menu da Rede

ABCP: em defesa da Liberdade de Cátedra

Tempo de Leitura: 2 Minutos

Publicidade

A diretoria de ABCP – Associação Brasileira de Ciência Política emite nota de repúdio à decisão do Ministério da Educação – MEC em acionar o Ministério Público Federal contra a criação de disciplina da UnB – Universidade de Brasília.

O posicionamento vai ao encontro da nota emitida pela UnB que evoca a autonomia universitária e o caráter facultativo da disciplina.  Veja a Nota, na íntegra, abaixo.

Nota de repúdio à violência contra a liberdade de cátedra

A Diretoria da ABCP vem manifestar a sua profunda preocupação com o intenção do ministro da Educação, Mendonça Filho, veiculada por diversos sites de notícias na quarta feira, dia 21 de fevereiro, de acionar os órgãos de controle para analisar a legalidade de uma disciplina a ser lecionada no Instituto de Ciência Politica da Universidade de Brasília (IPOL-UNB), cujo conteúdo refere-se à análise da democracia brasileira contemporânea, abrangendo o período que antecede a deposição da ex-presidente Dilma Roussef até os dias atuais.

A Diretoria da ABCP entende que a Constituição Federal de 1988, no seu artigo 206, II, garante aos docentes e discentes o pleno exercício da liberdade de ensinar e aprender, assim como faculta às Universidades brasileiras autonomia pedagógica. Ressalte-se ainda que a disciplina questionada pelo MEC é uma cadeira optativa de ementário livre, sendo facultado aos docentes montar o programa com o intuito de apresentar pesquisas recentes e debater temas da atualidade. A rigor, nenhum aluno ou aluna do curso de graduação em Ciência Política da UNB é obrigado a cursá-laPor outro lado, proibir a realização da disciplina impediria os discentes que assim o desejassem de cursá-la, o que fere, por suposto, o princípio da liberdade de aprender.

Diante disto, consideramos que, se a intenção manifesta do Ministro de fato se concretizar, a autonomia pedagógica das universidades brasileiras estará ameaçada, assim como os direitos e garantias fundamentais previstos na Constituição Federal. O ato não poderá ser avaliado de outra forma, senão como censura, característico de regimes de exceção.

Populares na Rede
[wpp range="last24h" limit="3"]
NA COTV

A Frente Popular na França, por Rui Costa Pimenta - Universidade Marxista nº 409

82 Visualizações 93 minutos Atrás

Watch Now

Send this to a friend